Covid-19 tende a manifestar-se de forma diversa em organismos infantis

Esse é um dos dados presentes num relatório que mostra como ocorrem as patologias dos quadros graves – muitas vezes fatais – de covid-19 em crianças

 22/06/2021 - Publicado há 4 meses
Brasil é um dos países que mais tiveram casos de covid sintomático em crianças – Foto: Pixabay

 

Um relatório mostra como ocorrem as patologias dos quadros graves de covid-19 em crianças. Apesar de geralmente de maneira leve ou assintomática, casos pediátricos graves e fatais da doença estão sendo registrados. O estudo foi feito em cima de quadros fatais, buscando entender como o vírus desenvolve-se no organismo e sua reação a ele. 

“Imaginávamos que as crianças estariam isentas de riscos”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição o médico patologista Paulo Saldiva, professor titular do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina (FM) da USP. “Mas o Brasil é um dos países que mais tiveram casos de covid sintomático em criança”, ele complementa. Um dos responsáveis pelo estudo, o professor relata que os quadros infantis da doença manifestam-se diferentemente em organismos que não possuem comorbidades. Nesses casos, embora ainda exista o envolvimento pulmonar, o órgão mais afetado é, em sua maioria, o coração, seguido pelo cérebro e tubo digestivo. A presença do vírus nesses órgãos explica a manifestação da doença na forma de diarreia, convulsões e insuficiência cardíaca, dependendo do local onde o vírus está instalado. 

Paulo Saldiva – Foto: Reprodução/Fapesp

Esse tipo de resposta do organismo infantil, de acordo com Saldiva, está ligado à reação inflamatória que a criança monta contra aquele vírus, com o intuito de destruir o vírus presente naquele órgão, que também promove lesões nele. Em termos de tratamento, como forma de impedir o agravamento da manifestação viral, altas doses de imunossupressor seriam uma forma de impedir esse cenário. O professor compara a reação da covid no organismo com casos ocorridos em jovens de febre amarela silvestre durante o surto que ocorreu entre 2017 e 2018. A similaridade entre o agravamento da inflamação, que levava a óbito, gerava uma taxa de mortalidade de 70%. Ao introduzir tratamentos para combater a resposta inflamatória do organismo, houve uma substancial redução da mortalidade, que caiu para cerca de 30%. 

“Ele migra, ele tem uma chave que abre a porta da célula de vários órgãos”, diz o professor. “Nesses órgãos, uma vez instalado pela potência dos sistemas de combate a agentes infecciosos que a criança dispõe, ela acaba por somar a agressão do vírus” completa. A publicação do artigo descreve a síndrome inflamatória multissistêmica, tanto em sua forma clássica quanto a infantil, como forma de orientar profissionais da saúde para salvar ou tratar com o mínimo de sequelas casos similares aos estudados. 

 O Brasil ainda tem um problema em torno da capacitação de profissionais para lidar com essas situações. De acordo com Saldiva, a capacitação de profissionais da saúde no tratamento de casos críticos ficou em segundo plano, devido à necessidade de aumentar a capacidade de unidades de terapia intensiva e compra de equipamentos. O professor destaca iniciativas como a da USP, que, para remediar essa situação, cede treinamento de UTIs a distância, uma espécie de sala com prontuário eletrônico com um aprendizado em serviço supervisionado. Ele destaca que as unidades que adotaram esse programa tiveram quedas substanciais nas unidades de terapia intensiva.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.