Liberação da melatonina como suplemento alimentar é facilitada pela Anvisa

Rosa Hasan comenta decisão do órgão sanitário, que autorizou o uso do hormônio para pessoas com idade igual ou maior que 19 anos e proibindo-o para gestantes, lactantes e crianças

 Publicado: 03/11/2021
A melatonina serve  para readequação do sono, apesar de não haver indícios de efetividade para casos de insônia crônica – Foto: Faisal Akram via Wikimedia Commons / CC BY-SA 4.0

A melatonina, substância usada na regulação do ciclo do sono, poderá ser usada para formulação de suplementos alimentares. Agora, ela poderá ser vendida sem receita médica nas farmácias. Quem aprovou a utilização foi a Diretoria Colegiada (Dicol) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Produzida na glândula pineal, próxima ao cérebro, a melatonina é um hormônio produzido à noite, na ausência de luz, sinalizando ao organismo que a noite e o momento de repouso chegaram. A perda de produção pode ser causada pelo envelhecimento, por tumores na região, medicações para regular a pressão e exposição de luz. “É ruim para o metabolismo”, afirma  Rosa Hasan, coordenadora do Ambulatório do Sono do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Com a decisão da Anvisa, o hormônio passa a ser destinado exclusivamente a pessoas com idade igual ou maior que 19 anos, para o consumo diário máximo de 0,21 mg. Gestantes, lactantes, crianças e pessoas envolvidas em atividades que requerem atenção constante não deverão consumir a suplementação. “A preocupação é que a pessoa faça o uso errado da melatonina”, aponta Rosa, lembrando de erros como o uso da melatonina durante o dia ou muito tardiamente, que podem “confundir o cérebro”.

“A melatonina não apresenta risco grande à saúde, ela não inibe a produção endógena por estar sendo ingerida externamente”, completa, citando, como exemplo, países dos Estados Unidos e Europa que a utilizam como suplementação alimentar. Com doses menores e horários bem regrados, o hormônio serve também para readequação do sono, apesar de não haver indícios de efetividade para casos de insônia crônica. A indicação do médico ainda é importante.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.