Inovação no mercado tecnológico de saúde cresce e gera mudanças na área médica

Para a professora Maria José Carmona, a importância da pesquisa no desenvolvimento tecnológico resulta em uma série de benefícios para o sistema de saúde

 11/08/2021 - Publicado há 4 meses
Healthtechs favorecem inovações na Medicina – Foto: Freepik

 

O mercado de inovações na área de Tecnologia da Saúde cresceu durante a pandemia. O uso de novas infraestruturas de atendimento médico permitiram um tratamento mais eficiente e de qualidade durante esse período. Essas healthtechs ganham espaço no mercado pelas propostas de inovação que apresentam soluções não só para a crise da covid-19 como para a medicina como um todo.

“Ao longo da pandemia o processo de telemedicina se desenvolveu bastante […], especialmente para atendimento a distância para as UTIs”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição a professora Maria José Carmona, membro do comitê executivo do InovaHC e presidente do Centro de Inovação Tecnológica do Instituto Central do Hospital das Clínicas (ICHC) da Faculdade de Medicina da USP. De acordo com ela, por mais que a solução mais esperada para o enfrentamento da covid-19 fosse a vacina, a pandemia criou um cenário propício à inovação: “Com certeza não sairemos dessa pandemia da mesma forma que entramos”, diz ela. 

Dentre as empresas que buscam empreender no ramo da tecnologia da saúde, o InovaHC foi criado como o núcleo de inovação tecnológica, ganhando relevância durante a pandemia, com oportunidade de busca de soluções para vários problemas existentes dentro desse contexto. Entre os projetos do InovaHC, Maria José destaca o In.cube, projeto em parceria do InovaHC com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, que busca incentivar e oferecer mentoria a projetos de inovação nos mais diversos estágios para o desenvolvimento.

A especialista ressalta a importância da pesquisa no desenvolvimento tecnológico na área da saúde, colocando que, por mais que seja um processo que demande investimento, seus resultados, além de cobrir o investimento inicial, ainda geram, por consequência, uma série de benefícios para a indústria sanitária. Dentre eles, estariam o acesso a novas tecnologias e a geração de empregos, e complementa: “Temos exemplos de alguns países onde o sistema de saúde não dá prejuízo, mas lucro, através dos royalties gerados pelo complexo econômico industrial da saúde”. 

Ela destaca como a inovação no ramo é importante, pois, por mais que certos equipamentos médicos possam parecer simples, eles possuem um grau de complexidade que requer muita tecnologia na sua execução. Ela exemplifica citando o uso dessas tecnologias na própria sala de cirurgia, onde podem ser aplicadas para o emprego do acompanhamento a distância do paciente, no material que compõe os instrumentos cirúrgicos, no sistema de controle de qualidade dessas ferramentas etc. “Há muitas oportunidades de inovação no Brasil e ele pode aproveitar essas oportunidades”, conclui Maria José.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.