Desmatamentos na Amazônia crescem e risco é de autodegradação

Pedro Luiz Côrtes comenta que a floresta amazônica perderá a capacidade de sustentação e começará a se autodegradar, se taxas de desmatamento forem mantidas

Em meio à preocupação causada pelo coronavírus, alguns problemas vivenciados no Brasil acabam ficando de lado. No entanto, essas complicações continuam avançando e, em determinadas situações, até piorando, se comparadas a dados do ano passado. Esse é o caso dos alertas de desmatamento na Amazônia, que cresceram 29% em março.

De acordo com o professor Pedro Luiz Côrtes, do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (Procam) do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da Universidade de São Paulo (USP), em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o que está ocorrendo neste ano é mais preocupante do que ocorreu no ano passado, pois o total de área desmatada nos três primeiros meses de 2020 configura um aumento de 51,4%, se comparado ao ano de 2019, isso de acordo com dados recentes divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Com a maioria da atenção do governo voltada ao combate do coronavírus, e apesar da criação do Conselho da Amazônia, algumas pessoas aproveitam da desatenção e menor vigilância para praticar atos criminosos contra a floresta amazônica, o que ocasiona o aumento significativo do desmatamento. O Estado do Pará é o recordista, com um aumento de 343%, mas esse mal alcança outras regiões do Brasil, como o Mato Grosso, com 126%. Apenas Roraima registrou redução no desmatamento, com queda de 68% se comparado ao ano passado. Côrtes explicita que a taxa de desmatamento sempre existiu, havendo redução ou aumento, e que, mesmo reduzindo, ainda não estamos falando de taxa de recuperação. 

O aumento significativo do desmatamento, comenta o professor, aliado à pandemia, poderá trazer grande impacto negativo ao mercado brasileiro, principalmente se considerarmos a comoção já ocorrida no ano passado por países que se mostraram preocupados com a situação da Amazônia e cogitaram barrar importações de produtos do Brasil.

Ouça a entrevista completa no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.