Dependência tecnológica pode estar associada a outros transtornos

Hospital das Clínicas possui programa para atender pessoas com comportamento compulsivo

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn5Print this pageEmail

A dependência tecnológica, seja em relação a jogos ou às redes sociais, pode estar relacionada a outros transtornos mentais. Segundo a psicóloga do Programa de Dependências Tecnológicas do Ambulatório Integrado dos Transtornos de Impulsos (Pro-Amiti) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HC-FM) da USP, Sylvia Van Enck, o uso do celular muitas vezes é uma fuga à depressão, ansiedade ou fobias sociais.

A especialista explica que, geralmente, é a família e os amigos do dependente que primeiro identificam os sintomas. Tais sinais são como aqueles de outras dependências: taquicardia, sudorese e irritabilidade. No entanto, muitos pacientes resistem à compreensão de que seu comportamento chegou à compulsão.

No site do Pro-Amiti é possível realizar testes para identificar o nível de uso de tecnologia. O paciente passa por triagem, avaliação neuropsicológica e consulta com psiquiatra ou psicólogo,  a fim de orientar o tratamento. As medidas podem ser apenas para redução do uso ou também prescrição de medicamentos que tratem os transtornos causadores do comportamento compulsivo relacionado à tecnologia.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn5Print this pageEmail

Textos relacionados