Colunista comenta casos de vítimas da impunidade

Luciano, Ali, Ahmed e Abdullah. Todos foram assassinados, uns na Guerra Civil do Iêmen e outro no Rio de Janeiro

A professora comenta nesta semana a morte de Luciano Macedo, o catador que foi baleado enquanto tentava ajudar o músico Evaldo dos Santos Rosa, alvo de 80 tiros disparados por militares do Exército, no Rio de Janeiro. A colunista critica a forma como a mídia silenciou o 81° disparo, já que o nome do catador só foi citado pela imprensa quando ele morreu uma semana após o fuzilamento.

Marília Fiorillo conta que Macedo foi operado em um hospital que não tinha um especialista em pulmão, sem o consentimento da família e em descumprimento de uma decisão judicial. Ela acredita que, se o nome dele tivesse sido divulgado antes, talvez ainda pudesse relatar os acontecimentos daquele dia.

“Luciano é Ali, Ahmed e Abdullah  — nomes comuns no Iêmen, destroçados por uma guerra civil que já entra em seu quinto ano”, diz Marília. Ela finaliza, lamentando que crimes contra a humanidade sejam praticados sempre e, mesmo assim, o presidente dos Estados Unidos vetou uma emenda do Congresso Americano que convocava uma suspensão do fornecimento de armas para que sauditas assassinassem no Iêmen.

Confira a coluna Conflito e Diálogo no link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •