Colunista afirma que “The New York Times” errou ao dar detalhes do denunciante de Trump

Para Lins da Silva, a reputação do jornal já é suficiente para dar credibilidade à informação

O jornal americano The New York Times foi criticado nos últimos dias por revelar detalhes do denunciante anônimo que alertou sobre o conteúdo das conversas entre o presidente Trump e o presidente da Ucrânia.

De acordo com o professor Carlos Eduardo Lins da Silva, há argumentos para criticar e para defender. Os que criticam a posição do jornal baseiam-se no fato de que a revelação de detalhes limita o denunciante a poucas pessoas, podendo colocar em risco a segurança dele e de seus familiares. Já os argumentos de defesa apoiam-se na tese de que o público precisa entender que a pessoa que fez as denúncias é de bom nível intelectual no governo, por isso sua revelação merece respeito.

“Eu não teria dado as informações por diversas razões, inclusive por coerência” afirma. “O jornal não precisava ter se apressado para dar os detalhes. Poderia ter dado tempo ao tempo. A sua reputação já era suficiente para que público desse crédito à informação que o jornal publica. Nesse caso específico, o jornal errou”, conclui.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Horizontes do Jornalismo.


Horizontes do Jornalismo
A coluna Horizontes do Jornalismo, com o professor Carlos Eduardo Lins da Silva, vai ao ar toda segunda-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção  do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.