Biblioteca Britânica é tema da coluna de Marisa Midori

Professora analisa a biblioteca frequentada por homens como Karl Marx, Lenin, Oscar Wilde e Mahatma Gandhi

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn5Print this pageEmail

 

Oscar Wilde, Mahatma Gandhi, George Orwell e Mark Twain foram alguns dos frequentadores famosos da Biblioteca Britânica, em Londres, na Inglaterra, tema da coluna “Bibliomania”, da professora Marisa Midori, que foi ao ar pela Rádio USP (93,7 Mhz) no dia 2 de junho. Outros frequentadores da Biblioteca Britânica foram Karl Marx – que ali, sentado na mesa G7, escreveu a sua obra máxima, Das Kapital – e Vladimir Lenin, que usava o pseudônimo de Jacob Richter para ter acesso aos livros.

Em 1997, a atual Biblioteca Britânica se transferiu para um grande edifício localizado próximo à estação de trem St. Pancras, em Londres. Antes, ela ocupava as dependências do British Museum, no tradicional bairro londrino de Bloomsbury, onde viveram grandes intelectuais, como Charles Darwin, John Maynard Keynes e Bertrand Russel, que provavelmente também passaram várias horas e horas lendo na Round Reading Room, a sala de leitura do Museu Britânico.

Essa sala tem uma história diferenciada, contou Marisa. Inaugurada em 1857, ela foi concebida pelo arquiteto britânico Sydney Smirke (1798-1877). “A proposta era construir um edifício sólido, redondo, erguido em concreto e com estrutura de ferro, o que era bem moderno na época, e que tivesse uma cúpula de vidro imensa, medindo 42,6 metros de diâmetro”, descreveu a professora. “Essa cúpula foi inspirada no Panteão de Roma.”

Ouça no link acima a íntegra da coluna de Marisa Midori.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn5Print this pageEmail

Textos relacionados