Pró-reitora de Graduação apresenta resultados do Programa de Inclusão Social

A pró-reitora de Graduação apresentou os resultados obtidos pelo Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP), tendo como base estudos realizados pela Pró-Reitoria a partir dos dados do Vestibular Fuvest 2010, e lançou o programa Embaixadores Docentes.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

A pró-reitora de Graduação, Telma Zorn, apresentou na manhã desta terça-feira, 10 de agosto, os resultados obtidos pelo Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP), tendo como base estudos realizados pela Pró-Reitoria a partir dos dados do Vestibular Fuvest 2010, e lançou o programa Embaixadores Docentes.

O INCLUSP engloba ações antes, durante e após o vestibular. Na primeira etapa, como ação direta na seleção, concede-se bônus de 3% em cada uma das fases universal para os alunos provenientes da rede pública de ensino. Além do bônus de 3%, o aluno pode receber bônus de até 3%, qualificado pelo desempenho do aluno no Programa de Avaliação Seriada da USP (PASUSP), e outro, de até 6%, decorrente do bônus FUVEST, que substitui a nota do ENEM. Com isso, o estudante da escola pública pode alcançar até 12% de pontuação acrescida em sua classificação no vestibular.

De acordo com o estudo, no Vestibular de 2010, houve uma queda no número de inscritos oriundos das escolas públicas em relação ao ano anterior, de 40.866 para 33.329 candidatos, acompanhando a tendência de queda do número global de inscritos no Vestibular da FUVEST, que passou de 122.472, em 2009, para 113.793, em 2010. Do total de 10.622 aprovados, 25,64% dos alunos estudou em escolas públicas, índice inferior ao do ano passado, que indicou percentual de 30,01%.

Aumento proporcional

Para a pró-reitora de Graduação, Telma Zorn, quatro hipóteses podem ser levadas em consideração para explicar a queda no número de inscritos e de aprovados da escola pública: desconhecimento, por parte desse público, das ações do Programa de Inclusão Social, a não-realização em 2009 do programa Embaixadores da USP, em que alunos da Universidade divulgam o INCLUSP nas escolas públicas, a expansão das universidades federais em São Paulo, com a abertura da Universidade Federal do ABC (UFABC) e com novos campi da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), além das vagas em universidades particulares com bolsas do Programa Universidade Para Todos (ProUni). “São hipóteses que não são excludentes. Elas se associam”, afirmou.

A pró-reitora, em contrapartida, destacou o aumento proporcional de aprovados de escolas públicas em relação ao total de inscritos desse grupo, cujo percentual tem crescido nos últimos três anos: 6,31, em 2008, 7,73% no ano seguinte e, em 2010, 8,15%. “Esses dados, segundo muitos colegas que trabalham com estatística, indicam uma melhora na qualidade dos alunos de escola pública que vêm participando do Vestibular FUVEST”, avaliou a pró-reitora.

Segundo ela, de acordo com análises elaboradas pela Pró-Reitoria, os estudantes que têm ingressado na Universidade através do INCLUSP apresentam desempenho igual ou superior aos demais. Por essas avaliações, a grande maioria dos alunos “apresenta excelente resposta ao estímulo, ou seja, avança mais rápido que os demais”.

Grupo de trabalho

Telma acrescentou que uma das principais ações de sua gestão à frente da Pró-Reitoria, que teve início em fevereiro deste ano, foi formar um grupo de trabalho para estudar o programa de inclusão social da Universidade.

Uma das questões que está em análise é o deslocamento do bônus de 3% universal – concedido para todos os alunos da rede pública que se inscrevem no INCLUSP – para ampliar a bonificação do PASUSP. “A minha visão, que é a mesma de meus colegas, é que os bônus devem ser concedidos de acordo com o mérito do estudante”, afirmou.

Embora já em discussão, a pró-reitora salienta, entretanto, que não haverá mudanças no sistema de bonificações para o Vestibular 2011.

Embaixadores Docentes

Durante a apresentação, a pró-reitora lançou o programa Embaixadores Docentes, em que professores da USP, inclusive os que já se aposentaram, podem ir às escolas públicas de ensino médio ensinar sobre os programas de inclusão da Universidade e a importância que a USP pode ter no futuro desses jovens alunos.

O Programa Embaixadores da USP 2010 dá continuidade à ação criada há dois anos na Universidade. Por ele, alunos que ingressaram na USP utilizando bônus concedidos pelo INCLUSP voltam às suas escolas de origem para mostrar aos colegas terceiranistas que entrar na USP, uma universidade pública, gratuita e de excelência, é uma meta ao alcance deles. Em 2010, 2.568 alunos estão prontos a realizar o trabalho de Embaixadores nas escolas públicas.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados