Ensino de administração também é relevante para veterinários

Para a maioria dos entrevistados, conteúdo sobre administração no curso de veterinária foi insatisfatório

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn111Print this pageEmail
Animal sendo atendido no laboratório cirúrgico da FMVZ – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Quem decide pelo curso de Medicina Veterinária pensa, na maioria das vezes, que a vida profissional vai se limitar a cuidar da saúde de cães, gatos ou talvez de animais de produção, como frango ou gado. Muitos não se dão conta de que será necessário administrar o próprio negócio, como clínicas e hospitais veterinários, e que o conhecimento sobre contabilidade, administração e empreendedorismo será essencial para o sucesso profissional.

Pesquisa do veterinário Frederico José Souto de Freitas teve o objetivo de desvendar como o ensino de administração foi passado durante a faculdade para alunos de Medicina Veterinária e se esse conteúdo foi relevante para os profissionais que hoje trabalham com animais de pequeno porte, como cães e gatos – um mercado em grande expansão no Brasil.

Entre outras conclusões da pesquisa, estão a necessidade de mudar o foco curricular do curso de Medicina Veterinária a fim de aproximar a realidade do mercado de trabalho com o conteúdo oferecido na graduação, além de melhorar a comunicação entre as universidades e os egressos.

A pesquisa foi realizada em 2015. Naquele ano, Souto enviou um questionário aos coordenadores de curso das 45 instituições de ensino superior públicas e privadas que oferecem graduação em Medicina Veterinária no Estado de São Paulo (atualmente são 47). O pesquisador obteve retorno de 16 delas.

Souto explica que, em 2002, passou a valer a nova diretriz curricular do curso de Medicina Veterinária em que é obrigatória a existência de disciplinas humanistas e sociais, como economia e administração. “Todas as instituições estavam em concordância com o exigido pela legislação e ofereciam alguma disciplina na área de administração”, conta o pesquisador. Ao analisar as respostas dos questionários, foi constatado que a maioria dessas disciplinas era obrigatória e, algumas, optativas. Mas poucas voltadas ao mercado pet (de pequenos animais).

O pesquisador também disponibilizou questionários para médicos veterinários inscritos na Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais do Estado de São Paulo (Anclivepa-SP), que reúne 1.500 profissionais ativos. Ele conseguiu o retorno de 96 questionários.

Para 91% dos veterinários entrevistados, o ensino de administração durante a graduação foi insatisfatório ou mediano.

Desencontro

Souto constatou um desencontro entre o discurso dos coordenadores e o dos médicos veterinários (veja infográficos). Para 91% dos veterinários entrevistados, o ensino de administração durante a graduação foi insatisfatório ou mediano. “Talvez a forma como o ensino foi disponibilizado para esses profissionais não tenha surtido o efeito desejado; ou exista a necessidade de oferecer disciplinas que sejam mais úteis ao futuro profissional; ou a importância do tema administração não tenha sido explicada adequadamente aos alunos”, sugere.

Os coordenadores disseram que o empreendedorismo é algo muito importante, mas a grade disciplinar das faculdades apresentava poucas abordagens sobre o tema. Os veterinários também citaram essa importância, mas poucos lembraram se tiveram essas aulas durante o curso. “O empreendedorismo é uma mola mestra. Poucas pessoas nascem com o espírito empreendedor, porém, é algo que se aprende. Por isso é tão importante que as faculdades ofereçam disciplinas sobre isso”, destaca.

Os coordenadores também disseram que as disciplinas ligadas à administração eram generalistas (enfoque tanto em animais de pequeno porte como animais de produção); mas, para a maioria dos veterinários, as disciplinas eram voltadas para animais de produção.

 

Experiência internacional

Frederico Souto relata que há alguns anos, na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, alunos de veterinária perceberam que, ao sair da faculdade, iriam precisar de informações sobre administração. Eles montaram uma associação para reunir estudantes, discutir e estudar o tema. Trata-se da Veterinarian Business Management Association (VBMA), entidade que, atualmente, está presente em várias faculdades de veterinária dos Estados Unidos, além de México, Austrália, Inglaterra e países do Caribe.

A pesquisa Ensino de administração nos cursos de medicina veterinária e a visão dos profissionais sobre a gestão dos serviços veterinários para pequenos animais diante da expansão do mercado pet foi apresentada à Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP em dezembro de 2016, sob a orientação do professor Augusto Hauber Gameiro, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP, em Pirassununga.

De acordo com o professor Gameiro, está em estudo o oferecimento de uma disciplina sobre administração veterinária para os alunos da FMVZ, com o objetivo de abordar conceitos de administração geral associada aos setores de animais de pequeno porte (pet) e de produção, entre outros temas.

Mais informações: e-mail fred.souto@usp.br, com Frederico Souto, ou gameiro@usp.br, com o professor Augusto Hauber Gameiro

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn111Print this pageEmail

Textos relacionados