Primeiro de setembro: Brasil deixa missão de paz no Haiti

Na próxima sexta, Brasil se retira da Minustah (Mission de Nations Unies pour la Stabilisation en Haiti) 13 anos depois de sua chegada

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Na coluna desta semana, Pedro Dallari faz um apanhado do que foi a missão de paz brasileira no Haiti. No começo deste século, após um golpe de Estado que nunca ficou bem esclarecido, a ONU convidou alguns países para uma missão de paz no Haiti, e o Brasil foi o maior deles. Isso em 2004, e o nome da missão ficou sendo Minustah, sigla em francês. Além de toda a pobreza daquele país, em 2010 o Haiti sofreu um terremoto avassalador, que matou 300 mil pessoas – 3 % da população – e no qual morreu uma importante figura brasileira: Zilda Arns. O Brasil chegou a mandar 37 mil soldados nessa missão. Nem todos ao mesmo tempo, obviamente, mas esse foi o total. Agora, em 1º de setembro, o Brasil tira todos os seus homens da missão. A consequência desse e de outros importantes fatos envolvendo o mais pobre país da América Latina você confere neste post.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados