Trabalho na área de bioengenharia é premiado em evento na Polônia

Trabalho desenvolvido no Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia (PPGIB) da USP avalia o efeito do extrato de mangostão e sua aplicabilidade na regeneração tecidual

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O aluno do Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia (PPGIB) da USP, Eduardo Pedro Milan, foi o vencedor do prêmio de Melhor Apresentação de Pôster no 24th Annual World Forum on Advanced Materials, evento que ocorreu entre os dias 9 e 13 de maio, em Poznań, na Polônia.

“O prêmio torna-se um reconhecimento ao trabalho e uma indicação de que esta pesquisa, ou o modo como está sendo conduzida, está no caminho correto, além de ser de grande valia pessoal e também para o PPGIB-USP. Fico feliz de poder contribuir para seu crescimento e qualidade”, destacou Milan.

O trabalho intitulado “Rheological effect of mangosteen extract on chitosan/collagen mixtures” faz parte da dissertação de mestrado desenvolvida no âmbito do PPGIB – que é oferecido conjuntamente pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) e Instituto de Química de São Carlos (IQSC), todas unidades da USP – e consiste em avaliar o efeito do extrato de mangostão, a diferentes concentrações, em uma blenda de quitosana e colágeno. Dada à natureza dos materiais, a aplicabilidade se dá na área de regeneração tecidual.

A quitosana e o colágeno são biomateriais que possuem excelentes propriedades, como biodegradabilidade, compatibilidade, atividade antimicrobiana, dentre outras. Já o mangostão é um fruto relativamente novo para a cultura ocidental, provindo de países do sudeste asiático, que possui no extrato de sua casca propriedades antibacteriana e antinflamatória, além de consistir em um forte antioxidante usado para diversos tratamentos. “Observando o potencial dos três elementos, teve-se a ideia de uni-los e testá-los”, explicou Milan.

De acordo com o mestrando, o destaque da pesquisa premiada deu-se a partir da escolha dos materiais, a aplicabilidade e a técnica utilizada. “A reologia – parte da física que investiga as propriedades e o comportamento mecânico de corpos que sofrem uma deformação (sólidos elásticos) – permitiu obter uma riqueza em dados que pode ser de interesse em pesquisas futuras, além de mostrar a potencialidade do material obtido”, comentou.

A orientadora do trabalho foi a professora do Departamento de Química e Física Molecular do IQSC, Ana Maria de Guzzi Plepis. De acordo com Milan, sua orientação foi de suma importância dada a capacidade da docente em sanar dúvidas e conduzir as ideias a um grau de excelência, direcionando o planejamento do projeto.

Milan ainda destacou que o trabalho premiado, por ser ainda parte do projeto de um mestrado, terá uma continuidade de estudos. “A pesquisa irá prosseguir com a finalidade de produção de um ‘scaffold’ – uma estrutura para experimentos – dos materiais. Já quanto à sua aplicação, no entanto, não há garantias, pois esse projeto não possui as atribuições para testar ‘in vivo’, dependendo assim do interesse de demais áreas para contribuir”, comentou.

Keite Marques/ Assessoria de Comunicação da EESC

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados