Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais repudia proposta de extinção da UERJ

Texto destaca que universidades não pertencem a governos e solicita o arquivamento imediato do projeto que chegou recentemente na Alerj. Leia na íntegra

 31/08/2021 - Publicado há 3 meses

A Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) repudia qualquer proposta de extinção de universidades, e de maneira direta se
posiciona radicalmente contra o projeto de extinção da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ.

É inquestionável o papel das universidades estaduais no processo de desenvolvimento da sociedade brasileira e a importância do sistema de instituições de ensino superior mantido
pelos poderes estaduais. Afirmamos que nenhum outro modelo reúne as mesmas características de nossas instituições.

O sistema no qual funcionam estas instituições nasceu da luta de gerações de lideranças locais, totalmente integrado às demandas regionais, funcionando como um
poderoso fator de desenvolvimento humano, cultural, social e econômico para cidades e Estados.

As instituições estaduais e municipais são um patrimônio que DEVE SER PROTEGIDO por todos os organismos públicos e pela sociedade civil organizada, pois são construções
coletivas, com sólidas raízes nos anseios da população em que estão inseridas.

Robusto, denso, interiorizado, o sistema da Abruem contribui historicamente para o desenvolvimento do Brasil, e continua sendo um forte aliado das políticas públicas locais,
nacionais e internacionais. Fazendo pesquisa de ponta, formando profissionais para áreas inovadoras e tradicionais, atuando fortemente durante a pandemia, inclusive nos nossos
hospitais universitários, as instituições de nosso sistema (47 IES com campus em centenas de municípios, principalmente no interior) contam, no momento, com 700 mil alunos nos seus
2.283 cursos de graduação e 111.483 alunos nos seus 792 cursos de mestrado e 521 de doutorado.

Respeitado no exterior como produtor de conhecimento e de formação de qualidade, nosso conjunto de instituições têm particularidades vitais neste momento: uma capilaridade
valiosa e uma tradição extensionista, funcionando como verdadeiras agências de desenvolvimento.

Estas instituições NÃO PERTENCEM A GOVERNOS, mas são da sociedade. Aos governantes cabe o dever histórico de manter, melhorar e ampliar os serviços por elas
prestados.

Arruinar um patrimônio intelectual desta grandeza produz atraso social e econômico no País, principalmente neste período em que cada instituição será determinante para a
retomada da economia na pós-pandemia.

Por isso, não admitimos nenhum argumento. E rechaçamos falácias ancoradas em falsos pressupostos de economicidade, uma vez que as instituições estaduais e municipais
dinamizam a economia dos Estados e municípios. Em especial, não admitimos que NENHUMA instituição seja fechada sob qualquer pretexto.

A UERJ é uma instituição de 70 anos, respeitada pelos seus serviços prestados para a sociedade brasileira e que se destaca como um modelo de projeto universitário que serve de
referência para as nossas universidades e para outras IES nacionais e internacionais.

Desta forma, solicitamos o arquivamento imediato do projeto de extinção da UERJ e reafirmamos a importância de investir no ensino superior como estratégia de visão de futuro.

O Brasil precisa de universidades públicas fortalecidas!

Reitor Rodrigo Bruno Zanin
Presidente da Abruem


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.