Museu da Computação da USP promove exposição virtual sobre aparelhos que marcaram época

Museu do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP em São Carlos organizou páginas com informações sobre aparelhos que se tornaram referência entre smartphones, computadores e outras tecnologias

 23/06/2023 - Publicado há 5 meses
Exposição disponível na internet conta história de aparelhos tecnológicos – Foto: Divulgação/Museu da Computação

.
Não há hoje quem não reconheça a revolução dos smartphones nos meios de comunicação, assim como não é novidade que produtos da Apple sempre lançam tendências no mercado de tecnologia, como o IMac, que mudou o conceito de computadores pessoais. Mas antes dos computadores, as calculadoras tiveram grande importância no crescimento de empresas, e a impressora da IBM também foi uma revolução ao replicar facilmente o conteúdo escrito. Para conhecer um pouco mais sobre esses aparelhos que marcaram época, está em cartaz uma exposição virtual no Museu de Computação da USP do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) em São Carlos, disponível neste link.

O site traz informações sobre a criação e a importância de cada aparelho. Dois deles da Apple, uma empresa criada num dormitório da faculdade por dois garotos hippies da Califórnia, que não imaginavam o impacto que ela teria no mundo da tecnologia. A Apple nasceu no dia 1º de abril de 1976, em Cupertino, no Vale do Silício, e desde o lançamento do primeiro smartphone, vem trazendo inovação, com o iMac, o iPod e o iPhone. Sua história decolou em 1977, com o lançamento do Apple II, que foi apresentado em uma feira de informática, e mesmo com seu preço elevado (cerca de 1.200 dólares, o que equivalente a 10 mil dólares atuais) foi um sucesso – por causa do marketing, que pela primeira vez não era direcionado a empresários ou entusiastas de computador, mas sim às famílias americanas; e pelo design, o modelo vinha em um gabinete de plástico e com um teclado incorporado, que foi tão bem aceito que permaneceu até o início da década de 90.

O iPhone 1

Primeiro IPhone – Foto: Divulgação/MC

O primeiro iPhone abre a exposição. O seu desenvolvimento começou por volta de 2005 secretamente, e o aparelho foi anunciado oficialmente em 9 de janeiro de 2007 e lançado em 29 de junho do mesmo ano. A principal característica foi não possuir muitos botões físicos, já que os botões seriam exibidos em uma interface de tela a toque, ou touchscreen. Outras características interessantes foram a conectividade para transferência de dados, possibilitando o acesso contínuo à internet, e superando modelos de comunicação por voz.

Rapidamente, o iPhone se tornou o produto mais famoso da marca, buscando ser também o mais lucrativo. Foi introduzida a AppStore, que permitiu às companhias de desenvolvimento a construir aplicativos e ganhar bilhões de dólares, promovendo maneiras do público consumir informação e conectar-se com pessoas. Ainda, numa escala muito grande, o iPhone conseguiu entrar no mercado do público geral,

O primeiro modelo contava com uma capa traseira feita de alumínio, um metal macio. A tela do aparelho possui uma resolução de 320×480 de LCD sensível ao toque e muito maior do que as telas de outros celulares da época. A câmera traseira do celular tinha resolução de 2 megapixels e funcionalidade de geotagging, que registra o local, horário e dados de onde a foto foi tirada. Sobre as críticas, no Wall Street Journal, o colunista Walt Mossberg concluiu que, apesar de algumas imperfeições e omissões de características, o iphone era um lindo e avançado computador de mãos. Para a revista Time, foi nomeado como a Invenção do Ano de 2007.

Clique aqui para acessar a página.

O iMac G3

iMac G3 – Foto: Divulgação/Museu da Computação

Apresentado ao público pela primeira vez em 1998 por Steve Jobs, vinha com um visual futurístico e diferente do padrão estético dos computadores da época. Com um tamanho compacto, monitor colorido e cores translúcidas que iam contra o bege, padrão de todos os computadores da época, seu visual e portabilidade agradou os usuários domésticos e o público infantil. Embora seu design colorido não tenha atraído o público empresarial, o iMac G3 teve um papel importantíssimo na popularização dos computadores domésticos.

O iMac G3 era maior, mais rápido e mais bonito que os outros computadores de sua época. Vinha carregado de um novo processador G3 considerado alto para época. A sua tela de 15 polegadas também superava as demais que costumavam ser apenas de 13 à 14.

Foi esse aparelho que também salvou a Apple da falência. Em 1997, antes da volta de Steve Jobs para a Apple, a empresa encarava uma taxa de abandono de 33%. O site de compras da Apple recebia em média apenas 100 mil acessos por dia, e a sua Market Share ou Participação de Mercado não passava de  3,4%. A volta do CEO original da Apple junto com o lançamento daquilo que o público queria e precisava, o primeiro iMac, ao lado de outros aparelhos da empresa, como o iPod, foram essenciais para salvar a Apple e tornar possível ela ser o que é hoje.

Para acessar a página clique aqui.

Antes dos computadores

Publicidade da NCR Class 31 – Foto: Divulgação/Museu da Computação

Também presente na mostra, a National Register Class 31 (ou NCR Class 31) foi uma máquina de contabilidade desenvolvida e comercializada no final da década de 40 e por toda a década de 50. Contava com uma série de funcionalidades inovadoras, que facilitavam a vida do operador e dificultavam fraudes financeiras., e por isso foi denominada pela NCR como “A Máquina de Contabilidade mais Versátil do Mundo”.  Contudo ela não foi a primeira máquina de contabilidade e nem mesmo a primeira da NCR.

A Class 31 era utilizada para registrar e descrever transações, balanços, lançamentos, descontos e outras operações de contabilidade. Trazia funcionalidades caracterizadas como uma impressão inteligente, como o registro automático de zeros e pontuações, que diminui a taxa de erro, além do acumulador mecânico que permitia a soma e subtração de valores, possibilitando a impressão direta do resultado da conta; e barras programáveis, dispositivos que agilizam diferentes tipos de impressão, como por exemplo valores monetários com cifrões e pontuações adequadas.

Entre as curiosidades, está o fato de que a NCR ajudou, durante a segunda guerra, o desenvolvimento da Bombe, um dispositivo de quebra de códigos da Marinha dos Estados Unidos, dando certo destaque para a empresa. Com desenvolvimento das tecnologias atuais, a NCR foi perdendo mercado e atualmente continua atuando no setor financeiro, porém fornecendo serviços como caixas bancários e contabilização de cheques e produtos.

Clique aqui para ver a página da exposição.

Por fim, os internautas podem conhecer mais sobre a  impressora 1403 da IBM. Ela foi lançada em outubro de 1959, como um componente do computador 1401 e tinha um conceito avançado de impressão, e as facilidades de manuseio de papel resultaram na preparação rápida e eficiente de relatórios, registros e documentos operacionais. Todos os dados a serem impressos, bem como o formato de impressão e as operações eram controladas pelo programa armazenado na unidade de processamento do sistema. Essa impressora usava uma corrente rotativa para produzir rapidamente tipos de alta qualidade. Possuía 48 caracteres diferentes: 10 dígitos, 26 letras e 12 caracteres especiais, e  era capaz de imprimir 600 linhas por minuto, em folha de formulário contínuo.

Museu da Computação na USP em São Carlos – Foto: Divulgação/ICMC

.
História do Museu 

Criado no  Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos, teve sua origem como um Museus de Instrumentos de Cálculo Numérico, idealizado e iniciado pelo professor Odelar Leite Linhares, então professor do Departamento de Ciências de Computação e Estatística. Segundo o professor, a ideia do museu surgiu a partir do sucesso das minicalculadoras digitais (e,   posteriormente, os minicomputadores pessoais), que se difundiram rapidamente, tornando-se de uso obrigatório e generalizado em praticamente todos os ramos da atividade humana, substituindo completamente os dispositivos antes utilizados para a realização de cálculos.

O Museu de Instrumentos de Cálculo Numérico foi instalado no interior da Biblioteca Prof. Achile Bassi do ICMC, com as peças exibidas como parte do acervo da Biblioteca. Durante os anos de 2013 e início de 2014, a área destinada ao museu foi ampliada, iniciando um processo de transformação e integração do espaço ao ambiente de ensino e pesquisa.

.
O Museu de Computação fica na av. Trabalhador São-Carlense 400, Centro, São Carlos, São Paulo). Funciona de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h, com entrada gratuita. Mais informações neste link.

Para ver a exposição virtual Aparelhos que marcaram época clique aqui.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.