Pílula Farmacêutica #20: Cloroquina e hidroxicloroquina podem tratar a covid-19?

O Ministério da Saúde decidiu disponibilizar a cloroquina como uma terapia adjuvante no tratamento de formas graves da doença; ainda assim mais estudos são necessários para comprovar a eficácia e a segurança da cloroquina nos casos de covid-19

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=312312

Pílula Farmacêutica #20: Cloroquina e hidroxicloroquina podem tratar a covid-19?
Pílula Farmacêutica

 
 
00:00 / 5:13
 
1X
 

No meio da guerra contra o novo coronavírus, um medicamento surgiu com suposto potencial para tratar a covid-19. Liberados pela Anvisa, os medicamentos à base de cloroquina e hidroxicloroquina são indicados para casos de malária, artrite reumatoide, lúpus eritematoso, reumatismo e algumas condições dermatológicas. Mas e para as vítimas da covid-19? 

A acadêmica Kimberly Fuzel, orientada da professora Regina Andrade, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP em Ribeirão Preto, esclarece que essa hipótese foi levantada devido a estudos realizados por pesquisadores chineses, que demonstraram que tanto a cloroquina como a hidroxicloroquina foram capazes de inibir a etapa de entrada do vírus na célula, assim como estágios celulares posteriores relacionados à infecção pelo coronavírus. Outro estudo desenvolvido na França demonstrou que a cloroquina pode ser capaz de reduzir a carga viral em pacientes infectados. 

Ainda assim, Kimberly comenta que é preciso realizar mais estudos sobre o uso dessas substâncias: “Considerando que ainda seriam necessários mais estudos para comprovar a eficácia e segurança da cloroquina nos casos de covid-19, o uso desses medicamentos está sendo liberado somente em pacientes com formas graves da doença. É importante ressaltar também que existem diversos estudos clínicos em andamento para avaliar a eficácia e a segurança da cloroquina e por isso essa medida pode ser modificada a qualquer momento”.

A hidroxicloroquina e a cloroquina são contraindicadas para qualquer condição que não tenha orientação médica, porque podem causar efeitos colaterais graves, como distúrbios cardiovasculares e retinopatia, que pode levar até a cegueira, como adverte Kimberly: “Os pacientes que recebem tratamento com cloroquina em altas doses, em longo prazo, devem ser submetidos às avaliações oftalmológicas e neurológicas a cada três ou seis meses. A margem entre a dose terapêutica e a dose tóxica desses medicamentos é muito estreita e por isso seu uso deve seguir regras precisas”.

Verifique a fonte das informações que chegam até você. Todas as informações sobre estudos disponíveis acerca da eficácia desses medicamentos e sobre qualquer tratamento relacionado com a covid-19 estão sendo divulgadas pela Anvisa e pelo Ministério da Saúde. Sempre se informe por fontes confiáveis –  é a sua saúde que está em risco.


Pílula Farmacêutica
 
Apresentação: Kimberly Fuzel e Giovanna Bingre
Produção: Professora Regina Célia Garcia de Andrade e Rita Stella
Co-produção: Rita Stella
Edição geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: segunda e quarta, às 10h40
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
Veja todos os episódios de Pílula Farmacêutica .

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.