Pílula Farmacêutica #13: Mononucleose – a doença do beijo

A presença da mononucleose é recorrente em grandes folias como o Carnaval. A doença do beijo por vezes pode ser assintomática, mas ainda assim permite a contaminação. Uma vez infectada, a doença pode permanecer no indivíduo para sempre

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=301734

Pílula Farmacêutica #13: Mononucleose – a doença do beijo
Pílula Farmacêutica

 
 
00:00 / 4:42
 
1X
 

Com a chegada do Carnaval é preciso relembrar da mononucleose, popularmente conhecida como a doença do beijo, cujo vírus causador pertence à mesma família dos vírus da herpes. A doença é geralmente transmitida pela saliva, transfusão de sangue e por objetos contaminados. Os sintomas nem sempre se manifestam, porém dores de garganta, fadiga, febre e inchaço das amígdalas então entre eles. 

O feriado de Carnaval costumeiramente arrasta milhões de foliões pelo País, seja nos blocos de rua ou nos desfiles das escolas de samba. A busca pela diversão é comum aos participantes. Mas, além da preocupação mundial causada pela epidemia do Covid-19, é preciso se atentar também à doença do beijo.

No Pílula Farmacêutica desta semana, a repórter Rita Stella conversou com a acadêmica Kimberly Fuzel, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP de Ribeirão Preto, sobre a mononucleose, a doença do beijo, comum entre jovens de 15 a 25 anos.

Ouça acima o podcast na íntegra.


Pílula Farmacêutica
 
Apresentação: Kimberly Fuzel e Giovanna Bingre
Produção: Professora Regina Célia Garcia de Andrade e Rita Stella
Co-produção: Rita Stella
Edição geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: segunda e quarta, às 10h40
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
Veja todos os episódios de Pílula Farmacêutica .

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.