Momento Sociedade #3: “O olhar do jornalista é a janela que temos para o mundo”

Diz José Luiz Portella sobre a importância do bom jornalismo a partir da tese de Pedro Paulo Martins Serra, que compara o telejornalismo brasileiro ao francês, apontando desdobramentos das diferenças entre os dois, tanto pela formação, como por suas estruturas, a tese está sob orientação da diretora da FFLCH, Maria Arminda do Nascimento Arruda

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=251570
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Momento Sociedade #3: “O olhar do jornalista é a janela que temos para o mundo”
Momento Sociedade - USP

 
 
00:00 / 8:19
 
1X
 

A tese de doutorado de Pedro Paulo Martins Serra, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), faz um estudo comparativo do telejornalismo de Brasil e França. O ex-secretário de Planejamento, doutorando em História Econômica na USP, José Luiz Portella, lembra neste Momento Sociedade a importância do bom jornalismo, ao destacar a análise de Serra. “É a parte da sociedade que informa às pessoas como está o mundo. O olhar do jornalista é a janela que temos para o mundo”, diz.

A pesquisa, em fase de conclusão, nota uma formação para o jornalismo bem diferente entre os dois países. “Na França, a formação é mais humanística. A maior preocupação é com as interações sociais causadas pelo fazer jornalístico. No Brasil, a formação é mais técnica. O foco do ensino está na apuração, escrita, estruturação da notícia e descrição do fato”, conta Portella.

Isso, claramente, tem repercussões. “Não existe cobertura totalmente isenta. E o viés não é só ideológico, mas também da formação”, esclarece o ex-secretário. Em vista disso, o jornalismo francês é mais crítico, enquanto o brasileiro é mais analítico-descritivo. Uma mudança fundamental de discurso.

Outra diferença curiosa é a origem dos profissionais do telejornal. Aqui, os profissionais primeiro entram na televisão, depois migram para os programas jornalísticos, a exemplo de Sandra Annenberg, uma artista cênica que começou em programas infantis. Lá, os contratados são, via de regra, do ramo. Vêm do rádio ou do impresso.

Segundo Portella, a lógica fundamental do jornalismo é a audiência, ou seja, mercadológica. Com a internet, agora, a busca também é pelo like. “No Brasil, o jornalismo vai nessa linha com muito menos resistência. Na França, embora aconteça, existe uma tentativa maior de se proteger da indústria cultural, da busca desenfreada pelo clique”, argumenta.


Momento Sociedade
O Momento Sociedade vai ao ar na Rádio USP todas as segundas-feiras, às 8h30 – São Paulo 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz e também nos principais agregadores de podcast

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •