Cruesp na cerimônia de assinatura de projeto de lei da Fundação Univesp

O reitor João Grandino Rodas, atual presidente do Cruesp, participou da cerimônia de assinatura do projeto de lei que prevê a criação da Fundação Univesp, a Universidade Virtual do Estado de São Paulo, realizada no Palácio dos Bandeirantes, no dia 18 de abril

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O reitor João Grandino Rodas, atual presidente do Cruesp, participou da cerimônia de assinatura do projeto de lei que prevê a criação da Fundação Univesp, a Universidade Virtual do Estado de São Paulo, realizada no Palácio dos Bandeirantes, no dia 18 de abril

Diante de uma plateia composta pelos reitores das três universidades públicas paulistas e de outras importantes instituições de ensino do Estado, como o Centro Paula Souza e a Faculdade Zumbi dos Palmares, o governador Geraldo Alckmin assinou o projeto de lei que prevê a criação da Fundação Univesp, a primeira universidade virtual pública do Estado. O documento foi encaminhado à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) para análise.

Além dos dirigentes das principais instituições de ensino paulistas, a cerimônia também contou com a presença dos diretores da Fapesp e da Fundação Padre Anchieta; e com os secretários estaduais da Educação e do Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia

Criado em 2009 com o objetivo de oferecer cursos a distância de qualidade, o Programa Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) iniciou suas atividades com o curso de Pedagogia, realizado em parceria com a Unesp. Depois, foram oferecidos os cursos de especialização em Ética, Valores e Saúde na Escola; o de Ética, Valores e Cidadania na Escola; e o curso de Licenciatura em Ciências, todos em parceira com a USP.

Se o projeto for aprovado na Assembleia, a Univesp deixa de ser um programa e ganha autonomia e orçamento próprio. Atualmente, a seleção dos estudantes é feita pelas universidades parceiras, que formulam o conteúdo das disciplinas e emitem os diplomas. Com a criação da Fundação, além de oferecer esses cursos em parceria, a Univesp passa a ter autonomia acadêmico-científica para desenvolver cursos próprios.

Uso intensivo de novas tecnologias

O grande diferencial da Univesp é o uso intensivo de tecnologias em cursos semipresenciais, muito mais flexíveis em termos de horário e espaço físico. Nesses cursos, boa parte das atividades é realizada em ambientes virtuais, via internet, com o apoio da Univesp TV e da Fundação Padre Anchieta. As avaliações e as atividades presenciais acontecem em laboratórios práticos, localizados em um dos 39 polos espalhados pelo Estado.

Com isso, a Fundação aumentará a quantidade de vagas ofertadas pelo ensino superior público gratuito, ampliando a abrangência geográfica e atendendo aqueles alunos que não têm tempo disponível para frequentar um curso regular. “Nós temos as três melhores universidades – a USP, a Unesp e a Unicamp -, mas o acesso não é fácil. Com a universidade virtual, vamos utilizar a rede de computadores para poder incluir mais, oferecendo ensino a distância e também semipresencial de qualidade. Esperamos ter, em menos de quatro anos, mais de 24 mil alunos já na Univesp”, ressalta o governador Geraldo Alckmin.

Para o reitor João Grandino Rodas, “a Univesp também contribuirá com as outras três universidades paulistas, na medida em que desenvolverá e intensificará o uso de mídias digitais no ensino presencial. Isso é de fundamental importância para a modernização das universidades tradicionais, preparando-as para o futuro”.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados