Seminário destaca a trajetória e o legado de Antonio Candido

Com entrada gratuita, evento será entre os dias 10 e 13 de setembro, na Cidade Universitária, em São Paulo

Por - Editorias: Cultura - URL Curta: jornal.usp.br/?p=193098
  • 297
  •  
  •  
  •  
  •  
Antonio Candido: especialistas vão discutir a atuação do professor na política, nas ciências sociais e na literatura – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

De 10 a 13 de setembro, acontece na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP o seminário Antonio Candido 100 anos. Durante quatro dias, professores e estudantes da USP e de outras instituições se reúnem em debates para relembrar e reviver a história e as contribuições do Professor Emérito da FFLCH Antonio Candido (1918-2017), que teria completado 100 anos em 24 de julho passado.

O evento é organizado pela Articulação Discente pelo Pensamento Brasileiro, grupo de estudantes de pós-graduação da FFLCH dedicado à memória e à história intelectual do País. O Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic) da USP, a Editora 34 e a própria FFLCH apoiam a realização.

Três aspectos da trajetória de Antonio Candido balizam a homenagem. O primeiro deles é a relação do professor com as ciências sociais, sua primeira formação acadêmica. Esse debate acontece na terça-feira, dia 11, às 18 horas, com a professora aposentada de Filosofia Maria Sylvia de Carvalho Franco, o professor de Sociologia Luiz Jackson e o pós-doutorando em Antropologia Rodrigo Ramassote, todos da FFLCH.

“Antonio Candido narrava a existência de um radicalismo intelectual de sua geração, responsável por romper com uma visão aristocrática da sociedade voltada para os estudos a partir dos aspectos sociais e culturais da elite brasileira”, analisa Ivo Soares, da Articulação Discente. “Na sua geração, o radicalismo ganhou expressão sociológica e passou a colocar na ordem do dia uma série de estudos baseados no caipira, no negro, no operário, no trabalhador rural, no pescador, no imigrante. Antonio Candido é figura destacada desse radicalismo e seu estudo Os Parceiros do Rio Bonito é trabalho exemplar dessa postura intelectual.

O crítico literário Antonio Candido, sua faceta mais aclamada, será discutido na quarta-feira, dia 12, também às 18 horas, em mesa composta pelo professor do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP Marcos Antonio de Moraes, o professor do Instituto de Letras da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) João Cezar de Castro Rocha e os professores do curso de Letras da FFLCH Adélia Bezerra de Meneses e Flávio Aguiar.

Antonio Candido aos 29 anos, quando começou a pesquisa de campo sobre o caipira do interior paulista, que daria origem ao livro Os Parceiros do Rio Bonito – Foto: Reprodução/livro Os Parceiros do Rio Bonito

“Há grandes consensos bibliográficos sobre a relevância intelectual de Os Parceiros do Rio Bonito, Formação da Literatura Brasileira, Dialética da Malandragem e De Cortiço a Cortiço”, comenta Soares sobre o que seria uma bibliografia básica dos textos de Candido. “Mas há também”, complementa, “outros textos bastante reconhecidos pelas análises de época e pelas análises políticas, como Literatura e Subdesenvolvimento e O Direito à Literatura. E ainda há um conjunto de textos de valor teórico e metodológico para a crítica, como Crítica e Sociologia e A Passagem do Dois ao Três.

Para falar da relação do mestre com a política, terceiro grande tema do seminário, reúnem-se na quinta-feira, dia 13, às 18 horas, os professores Paulo Arantes, de Filosofia, André Singer, de Ciência Política, Ricardo Musse, de Sociologia, todos da FFLCH, e a professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Margarida Vieira.

“Algo que acompanha a longa trajetória intelectual de Antonio Candido é a defesa do radicalismo político assentada em uma perspectiva democrática e socialista, a qual buscava, a um só tempo, pensar os problemas na escala da nação, buscar soluções nesse sentido e forjar uma esquerda heterodoxa ou uma via específica para o socialismo no Brasil”, explica Soares. “Essa posição criticou todas as formas de pensamento e ação reacionárias, como os autoritarismos do Estado Novo e da ditadura de 1964, o capitalismo monopolista e o comunismo soviético, sem cair em um localismo político ou em um nativismo, visto que buscava a introdução de um socialismo a partir dos determinantes históricos e das condições sociais específicas do Brasil.”

O evento terá também a participação das filhas de Candido, as professoras Laura e Marina de Mello e Souza, e de sua neta, Laura Escorel. Elas integram as mesas de abertura e de memória, na segunda-feira, dia 10, com início às 17h30. A programação inclui ainda comunicações que aprofundam os principais tópicos da carreira do professor, com sessões às 10 e às 14 horas.

O seminário Antonio Candido 100 anos acontece de 10 a 13 de setembro no Auditório Nicolau Sevcenko da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP (Avenida Lineu Prestes, 338, na Cidade Universitária, em São Paulo). Entrada grátis. Não é necessário fazer inscrição. A programação completa do evento está disponível neste endereço.

(Além de Ivo Soares, contribuíram nas declarações da Articulação Discente pelo Pensamento Brasileiro os estudantes Bruna Della Torre, Daniela Constanzo, Leonardo Octávio e Rafael Marino.)

  • 297
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados