Levantamento botânico ajuda na preservação da Pedra da Macela

Projeto sediado na Esalq mapeia a diversidade de plantas em área do Parque Nacional da Serra da Bocaina

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
A Pedra da Macela é um ponto turístico que demanda estrutura adequada e ações que minimizem as intervenções dos visitantes sobre os ecossistemas locais – Foto: Rafael Defavari/Wikimedia Commons / CC BY-SA 4.0

Com aproximadamente 1.850 metros de altitude, a Pedra da Macela é um pico situado no Parque Nacional da Serra da Bocaina, entre os municípios de Cunha (SP) e Paraty (RJ), região que marca a divisa entre os dois Estados. “O parque nacional, que faz parte da cadeia de montanhas da Serra do Mar, destaca-se por apresentar uma grande variação nos fatores climáticos e de relevo dentro da Mata Atlântica, o que culmina com uma grande concentração de diferentes tipos de vegetação, variando desde florestas densas até campos de altitude”, aponta o professor Vinicius Castro Souza, do Departamento de Ciências Biológicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP.

No entanto, segundo o docente, o local carece de uma estrutura adequada e de ações que minimizem as intervenções dos visitantes, que poluem o ambiente e podem destruir espécies raras e endêmicas. É por isso que uma equipe coordenada pelo professor Vinicius desenvolve um projeto de levantamento da diversidade de plantas ocorrentes na Pedra da Macela. “Assim pretendemos aumentar o número de registros de coletas botânicas na região do Parque Nacional da Serra da Bocaina, ressaltando as espécies raras e endêmicas”, reforça o docente.

O projeto está sediado no Herbário ESA, da Esalq, e conta com a participação de alunos de graduação em Ciências Biológicas, Ciências Florestais e Engenharia Agronômica da Esalq, além de estudantes da pós-graduação da Unicamp, também com a supervisão do professor Vinicius Castro Souza. “Na Pedra da Macela, é possível identificar dois tipos principais de vegetação. Na parte mais alta, com elevação de até 1.850 metros, encontra-se um campo de altitude, com predominância de espécies herbáceas e arbustivas sob rocha exposta. Conforme a altitude diminui, tem-se a dominância de espécies arbóreas que formam uma mata característica da floresta ombrófila densa. Também ocorrem áreas de transição entre campo e floresta, caracterizadas pela presença de arbustos, arvoretas e árvores”, descreve o coordenador do projeto.

A área compreendida dentro da Pedra da Macela que está sendo estudada tem cerca de 600 mil metros quadrados e, segundo o docente, a combinação de características naturais da região proporciona uma beleza cênica ímpar, atraindo turistas de várias localidades do Brasil e exterior. “Além de ampliar os conhecimentos sobre a flora da Serra da Bocaina, gerando-se um checklist, o presente projeto está trazendo dados fundamentais para subsidiar a criação de ações de conservação do local. A pedra é um ponto turístico muito visitado e que, portanto, demanda uma estrutura adequada e ações que minimizem as intervenções dos visitantes sobre os ecossistemas locais e que podem ameaçar espécies, especialmente as raras e endêmicas”, conclui.

Macela – O nome Pedra da Macela faz referência à macela (Achyrocline satureioides), uma belíssima espécie herbácea da família Asteraceae, muito comum nas áreas abertas, especialmente ao longo das trilhas e nos campos de altitude da região foco do projeto.

Saiba mais sobre o projeto Flora da Pedra da Macela no blog ou na página no Facebook.

Caio Albuquerque, da Divisão de Comunicação da Esalq, com edição do Jornal da USP

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados