Tecnologias interativas podem contribuir na conscientização de jovens sobre sexo seguro

Pesquisadora da USP desenvolve game para informar jovens sobre contracepção, gravidez na adolescência e infecções sexualmente transmissíveis; jogo ainda não está disponível no mercado

 25/08/2022 - Publicado há 5 meses
Por
Baseado em estudo, jogo eletrônico busca promover prática sexual segura – Foto: Freepik

.
Com o objetivo de usar tecnologias interativas e aplicativos para se comunicar com jovens de forma eficiente, a pesquisadora Lilian Mayumi Chinen Tamashiro, da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, desenvolveu um aplicativo voltado à conscientização desse público sobre o sexo seguro e a contracepção.

Lilian Mayumi Chinen Tamashiro – Foto: PRP-USP

Chamado Prinventon, o aplicativo é um Serious Game, jogo eletrônico com objetivos educacionais, que se passa em uma cidade virtual onde os jovens podem explorar e interagir com personagens e locais, como escolas, postos de saúde e eventos. O game focou na abordagem do uso de métodos contraceptivos no reforço da prática sexual segura.

A pesquisadora conta que, para a criação do aplicativo, a pesquisa foi dividida em duas etapas de metodologia. A primeira, que foi o próprio desenvolvimento da tecnologia, contou com grupos focais (grupo pequeno de pessoas para fomentar ideias), que discutiu a respeito do tema, compartilhando experiências e histórias. A segunda parte, realizada com um protótipo, avaliou o conteúdo e usabilidade do aplicativo por especialistas e pelo público-alvo, os adolescentes. Oito jovens de 15 a 17 anos de uma escola pública da cidade de São Paulo participaram ativamente da pesquisa. 

Segundo Lilian, o seu trabalho destaca os problemas do sexo sem proteção na adolescência, explorando o tema ao máximo para apontar possíveis consequências. Desta forma, tenta driblar as causas ou minimizá-las, através da conscientização e orientação desses jovens com informações sobre sexualidade, sistema reprodutor humano e métodos contraceptivos, sugerindo a melhor opção adaptada ao estilo de vida do usuário.

Dados sobre gravidez no Brasil incentivaram pesquisa

A pesquisadora conta que uma das principais motivações para a criação do aplicativo foi a grande relevância da adolescência na saúde pública. Dados estatísticos apontam para altos índices de gravidez na adolescência. De acordo com o IBGE de 2019, 35,4% dos adolescentes de 13 a 17 anos já tinham iniciado a vida sexual, e destes, 59,1% usaram preservativo na última relação. Além disso, cerca de 7,9% das adolescentes já tinham engravidado.

E as preocupações relacionadas ao sexo seguro estão presentes no mundo todo, aponta Lilian, lembrando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforça cada vez mais a ideia de ampliação de intervenções de saúde por meios digitais, acessíveis por dispositivos móveis. Esse movimento da OMS, continua, busca uma revolução digital para fortalecer o sistema de saúde. 

Quanto ao efetivo uso do Prinventon nesse movimento, a pesquisadora informa que ele ainda não está disponível no mercado e precisa de ajustes finais baseados nos feedbacks da primeira pesquisa desenvolvida. Os próximos passos já estão idealizados para uma nova pesquisa que dará andamento para o lançamento do game em futuro próximo.

A criação do aplicativo faz parte da tese de doutorado Desenvolvimento de tecnologia educacional digital sobre prática sexual segura e contracepção com adolescentes, apresentada por Lilian Mayumi Chinen Tamashiro à Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, em janeiro de 2020, sob orientação da professora Luciana Mara Monti Fonseca.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.