Uso prolongado de videogames pode afetar vida profissional e saúde mental

Erika Gouveia explicou algumas consequências já conhecidas do vício em games, mas também ressaltou possíveis bons usos para essas novas tecnologias

O número de pessoas que jogam videogames cresce ano a ano e o mercado de games está em constante expansão. Dados da Pesquisa Game Brasil (PGB) mostram que dois terços dos brasileiros jogam games eletrônicos, na sua maioria, jovens de 25 a 34 anos. O problema é que estudos recentes apontam problemas de saúde, principalmente mentais, em usuários que jogam com frequência.

Foto: Pedro Bolle/USP Imagens

O vício em games vem se tornando cada vez mais frequente e, em 2018, a Organização Mundial da Saúde passou a reconhecê-lo como um distúrbio mental. Erika Gouveia, doutora pelo Instituto de Psicologia da USP, explicou alguns dos efeitos negativos que a utilização excessiva dos videogames pode causar para a saúde das pessoas.

Ainda que os games tenham diversos efeitos negativos para os usuários que jogam com frequência, Erika explicou um lado desconhecido dos videogames: a utilização em tratamentos médicos, ressaltando que a tecnologia veio para nos ajudar, e usar essas tecnologias de formas criativas pode ser extremamente benéfico.

Confira acima a matéria completa.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.