Síria volta a conjugar o verbo massacrar

Massacre da população civil toma proporções avassaladoras na Síria

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em sua coluna do último dia 12, a professora Marília Fiorillo alertava para os bombardeios feitos com armas químicas no subúrbio leste de Damasco, Ghouta. Nos últimos dias, o massacre tomou proporções avassaladoras e dominou as manchetes dos principais jornais mundiais, cujas coberturas possuem tom à beira do desânimo, segundo professora.

O subúrbio, último enclave sob a oposição síria, está sitiado: sem receber remédios, comida ou água. Marília Fiorillo esclarece que, quando um governo está contra civis indefesos, não se fala de guerra civil, e sim de genocídio. O conflito já dura sete anos. Ela também relembra outras vezes em que a população da região sofreu ataques e medidas ilegais e imorais.

A professora ainda alerta que a continuidade desses massacres pode ser devido ao fato de que haverá muito em breve eleições na Rússia, e eles querem “se livrar logo do problema”.

Ouça a análise no link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados