Política de campeões nacionais não investiu em mão de obra

A política estimula empresas que participam do mercado externo a gerar inovação para o crescimento

A intenção da política de campeões nacionais é estimular empresas de alguns setores que brigam pelo mercado mundial daquele segmento específico. Esse estímulo aumenta o lucro e, assim, o desenvolvimento de novas pesquisas e produtos, gerando a inovação tecnológica que fomenta o crescimento da produtividade e da economia. Por exemplo, a empresa de telecomunicações Oi.

O problema da implementação no Brasil foi não investir no capital humano com qualificação da mão de obra e no capital físico com o aumento da taxa de poupança. Exemplos de sucesso aconteceram no Japão e na Coreia do Sul, que atrelaram os estímulos à participação no mercado externo. Ouça acima, na íntegra, o comentário do professor Luciano Nakabashi.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.