Pacientes da rede pública, com perda auditiva, podem contar com programa de reabilitação do HC

Mara Gândara fala sobre o Programa Reouvir, que já beneficiou mais de 25 mil pacientes em dois anos, atendendo de crianças a idosos

 29/03/2022 - Publicado há 5 meses  Atualizado: 31/03/2022 as 11:07
A equipe do Reouvir faz a consulta depois de dois meses após a entrega do aparelho para regulá-lo e um ano depois é realizada uma audiometria para saber o quanto o paciente está adaptado e satisfeito – Foto: Reprodução home Mara Gândara/Zaiets Roman

 

O Programa Reouvir fornece aparelhos de surdez para pacientes encaminhados pelo sistema Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross). O encaminhamento acontece logo após o médico do posto constatar em exames a causa da surdez, as situações que podem agravar a perda e o diagnóstico audiológicos. A coordenadora do programa, Mara Gândara, vinculada à Divisão de Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP), descreve seu funcionamento em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição. 

Com mais de 25 mil pacientes beneficiados durante dois anos, o programa de reabilitação auditiva com aparelho de amplificação sonora atende aos pacientes das unidades da rede pública. “Às vezes, os pacientes demoram para reconhecer a própria surdez, geralmente os amigos e a família que percebem, porém, é preciso identificar o mais rápido possível. Quanto maior o tempo de surdez, pior a recuperação”, ressalta Mara.

“No Hospital das Clínicas (HC), atendemos desde criança com 6 meses até idosos com 107 anos, com vários tipos de perda auditiva”, comenta a especialista. São vários os motivos para o indivíduo se tornar surdo, pode ocorrer durante a gestação, no parto, conforme a idade ou os ruídos muito altos ao longo da vida.

O funcionamento do Programa Reouvir

Mara E. Rocha Gândara – Foto: Reprodução home Mara Gândara

A professora explica que a Secretaria da Saúde faz mapeamentos e agenda esses pacientes pelo sistema Cross. Eles são encaminhados para o serviço mais próximo de sua residência. Depois, é feito o agendamento pela própria unidade de saúde e a equipe do Reouvir recebe o paciente e inicia o processo seletivo. O indivíduo que não tem tratamento clínico ou cirúrgico deverá receber o aparelho de amplificação do som individual de acordo com as especificidades de sua surdez. “Precisamos receber do médico o diagnóstico etiológico (o que causou a surdez) e audiológico (o nível de audição dele). No HC, o paciente passa pela consulta médica, depois faz uma audiometria, também há a verificação da documentação dele e a orientação sobre o que é um aparelho auditivo e como funciona.”

Após esse procedimento, a pessoa vai testar e se adaptar ao aparelho. É muito importante que tenha um apoio familiar nessa fase, pois o indivíduo não está acostumado com sons altos e fica incomodado. Esse período de adaptação é chamado de “aclimatização” e um treinamento com fonoaudiólogo auxilia nessa etapa, mas às vezes o indivíduo não tem dinheiro, o SUS banca somente o aparelho, segundo afirma Mara.

A equipe do Reouvir faz a consulta depois de dois meses após a entrega do aparelho para regulá-lo e um ano depois é realizada uma audiometria para saber o quanto o paciente está adaptado e satisfeito. Ele também volta para o médico de origem a cada quatro meses para limpeza, pois a cera obstrui e não deixa o som passar livremente. O programa também revê a regulagem para o acompanhamento e fica responsável pela troca do molde, pois há um tamanho diferente para cada idade.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.