O combate às milícias tirou a vida de Marielle Franco

Suas denúncias contra aquelas organizações criminosas que agiam nas comunidades mais vulneráveis serviram como sua sentença de morte

Um ano após a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no Rio de Janeiro, as investigações finalmente levaram aos supostos culpados, ex-policiais envolvidos com milícias. Em sua coluna semanal, a professora Raquel Rolnik, ao falar sobre a ação das milícias no Rio de Janeiro, aborda as circunstâncias que levaram à morte da vereadora, que procurava combater a ação daquelas organizações nas comunidades já fragilizadas pelo combate indiscriminado, por parte das autoridades, ao tráfico de drogas.

Acompanhe a íntegra do comentário pelo link acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.