Economia de plataforma relaciona tecnologia às demandas atuais da sociedade

Professores comentam que o crescimento desse tipo de economia ocasiona a pressão institucional existente para regulamentação do serviço

 17/11/2022 - Publicado há 2 anos
Montagem feita por Guilherme Castro/Jornal da USP com imagens de Freepik (Macrovector)

 

Logo da Rádio USP

Ao mesmo tempo que ela fornece novas formas de mercados no ambiente das plataformas digitais, a economia de plataforma é um fenômeno crescente que reverbera na sociedade com seus impactos. Englobando aplicativos de transporte de passageiros, delivery, compras e transações on-line, elas apresentam um funcionamento pautado em sistemas de classificação e avaliação. 

Roberto Marx – Foto: PRO/Poli/USP

Os professores Roberto Marx, do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica (Poli) da USP e Adriana Marotti de Mello, do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária (FEA) da USP comentam as reflexões e impactos do fenômeno na sociedade, que encontra na facilidade com que os aplicativos são disponibilizados maiores repercussões e lucros. 

Adriana Marotti de Mello explica que a incorporação da economia de plataforma na sociedade ocorre em função de uma “demanda latente” pelos serviços disponibilizados pelas plataformas, principalmente no que se refere à mobilidade urbana. “Há uma lacuna na prestação de serviço de transporte público ou mesmo transporte individual. Aí aparece a solução de mercado, que é o uso do Uber.”

Para os docentes, com a economia de plataforma, a expectativa é a de que a área de mobilidade ganhe força. Justamente por isso, o professor Roberto Marx, do Departamento de Engenharia da Produção da Escola Politécnica (Poli) da USP, comenta que as pesquisas nesse campo se concentram no desenvolvimento de uma indústria de mobilidade urbana sustentável. Aplicativos nesta área são aliados no transporte público e de passageiros individuais, ao interferirem no desenvolvimento de uma mobilidade sustentável. 

Impactos da economia de plataforma 

Adriana Marotti de Mello – Foto: Arquivo pessoal

O crescimento da demanda pelos serviços ocasiona a pressão pela “legitimação institucional”, a fim de regulamentar o setor, mesmo com a existência de regimentos internos desenvolvidos pelas próprias plataformas, a partir de normas institucionais. A ausência dessa regulamentação é vista a partir dos impactos sociais da economia de plataforma. 

Ainda que, por um lado, as inovações em tecnologia e benefícios para a sociedade trazidas por esse tipo de economia sejam inegáveis, há o contraponto do colaborador, como motoristas, alvo da precarização do trabalho. O professor Roberto Marx explica que as inovações são importantes, mas que as plataformas vão além das próprias empresas e da relação entre empresas e usuários. 

Aqui surge a necessidade de uma legislação do ponto de vista da sociedade e de que forma as pessoas operam a ferramentas para que a economia de plataforma ocorra, a fim de amparar a questão da precarização do trabalho, também colocada por ele como “uberização”. Marx expõe: “Avanço tecnológico é importante, mas é preciso lidar com as consequências e as necessidades da sociedade e dos trabalhadores”. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.