Degeneração macular e Parkinson poderão ser tratados com células-tronco

A novidade foi trazida por um dos ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina em 2012

Nesta edição da coluna Decodificando o DNA, Mayana Zatz volta a falar sobre o  Congresso da Sociedade Internacional de Pesquisas em Células-Tronco (ISSCR, em inglês), que este ano aconteceu em junho, na cidade de Los Angeles, Estados Unidos. Desta vez, ela conta sobre as palestras feitas pelos cientistas John B. Gurdon, da Inglaterra, e Shinya Yamanaka, do Japão, que dividiram o Prêmio Nobel de Medicina em 2012 por suas pesquisas com células-tronco.

John B. Gurdon ganhou o prêmio por ser o primeiro a clonar um sapo, em 1958. O biólogo, em sua apresentação, discutiu o que mudou nesses 60 anos. “Segundo ele, houve avanços significativos, mas as agências regulatórias de tornaram as pesquisas muito mais difíceis”, diz Mayana.

Já Shynia Yamanaka descobriu que células adultas da pele podem ser reprogramadas para que elas se diferenciem em qualquer tecido. Durante o congresso, Yamanaka apresentou avanços em dois tratamentos com células-tronco para tratar a degeneração macular e a doença de Parkinson.

Ouça a professora do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências (IB) da USP clicando no áudio acima.


Decodificando o DNA
A coluna Decodificando o DNA, com a professora Mayana Zatz, vai ao ar quinzenalmente toda quarta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •