Arritmias cardíacas podem ser caminho para o AVC

Elas ocorrem, na maioria dos casos, em pessoas que têm alterações cardíacas

Na coluna Minuto do Cérebro desta semana, o professor Octávio Pontes Neto fala o que é uma fibrilação atrial e porque ela aumenta o risco da ocorrência de AVC.

De acordo com o professor, fibrilação atrial, também chamada de arritmia cardíaca, leva à paralisação de uma parede do átrio, que é uma das cavidades do coração, e resulta na formação de coágulos no coração. Esses coágulos podem se desprender, caindo na corrente sanguínea e entupir a artéria do cérebro, causando, então, um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico.

Pontes Neto aponta que os tratamentos variam de acordo com o paciente, mas que, em sua maioria, são utilizados anticoagulantes orais, responsáveis por afinar o sangue e impedir a formação de coágulos. No entanto, de acordo com o professor, a melhor forma de lidar com o problema é “a prevenção específica para esse tipo de AVC”.

Ouça acima na íntegra a coluna Minuto do Cérebro.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.