Estudo brasileiro para tratamento de AVC tem resultados positivos

Estudo mostrou aumento de 21% a 35% de independência funcional

Na coluna Minuto do Cérebro desta semana, o professor Octávio Pontes Neto fala sobre os resultados do estudo brasileiro RESILIENT, que utiliza a trombectomia mecânica para tratamento do AVC (Acidente Vascular Cerebral) isquêmico, apresentados no Congresso Europeu, em Milão, Itália.

O estudo testou a trombectomia mecânica para tratamento de AVC bem como sua eficácia no SUS (Sistema Único de Saúde), e observou-se um aumento de 21% a 35% de independência funcional, ou seja, os pacientes ficaram mais independentes após o tratamento. Também foi constatado redução de 16% da mortalidade ou da dependência grave, quando comparados os tratamentos entre a trombectomia mecânica e a padrão.

De acordo com o professor, a cada sete pacientes tratados com o método, um ficou completamente independente e, comparado a outros tratamentos da medicina, conclui-se que a trombectomia mecânica possui uma excelente eficácia.

Pontes Neto fala que “um dos objetivos era demonstrar a segurança do tratamento no SUS”, e os resultados foram satisfatórios. Além disso, olhando o desempenho dos hospitais que trataram AVC no estudo, “o tempo médio entre a porta do hospital e o início do tratamento foi de 30 minutos”, conta. Isso sugere que os hospitais do SUS têm, sim, condições de realizar o tratamento de maneira adequada.

Ouça acima na íntegra a coluna Minuto do Cérebro.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •