Ainda sabemos o que é real em meio a tanta desinformação?

Por Ergon Cugler, pesquisador da EACH/USP, associado ao Observatório Interdisciplinar de Políticas Públicas (OIPP) e ao Grupo de Estudos em Tecnologia e Inovações na Gestão Pública (Getip)

Editorias: Artigos - URL Curta: jornal.usp.br/?p=363469
Ergon Cugler – Foto: Arquivo pessoal
Com as redes sociais repletas de notícias falsas, tem sido cada vez mais difícil decifrar o que é real em meio ao volume de mensagens que recebemos diariamente. Não à toa, em  maio, uma pesquisa da Avaaz identificou que cerca de 73% dos brasileiros acreditaram em pelo menos uma notícia falsa sobre a pandemia. Mais recente, um estudo do American Journal of Tropical Medicine and Hygiene apontou que as informações falsas (como as de uso de supostas medicações caseiras contra a covid-19, por exemplo) foram diretamente responsáveis pela morte de pelo menos 800 pessoas, além de outras 5.800 hospitalizações. Também na margem da realidade, a Inteligência Artificial tem sido usada para produzir as chamadas deepfakes, alterando vídeos principalmente para entretenimento e humor. Mais realistas conforme avança a tecnologia, porém, as deepfakes também têm sido usadas maliciosamente para enganar pessoas e influenciar eleições ao redor do mundo.

Referência no uso de deepfake para vídeos de humor e entretenimento, o jornalista Bruno Sartori (em entrevista) reforça que “a população precisa saber que essa inteligência existe, da possibilidade de se falsificar um vídeo de forma bastante realista”. Sartori vai além, “uma fake news é uma notícia contada, e a pessoa acredita. Imagine um vídeo [falso] da própria pessoa confessando um crime, dizendo uma coisa absurda?”.

Se antes já era necessário desconfiar de notícias falsas, agora até os vídeos que vemos podem ter sido alterados artificialmente com o objetivo criminoso de desinformar. Porém, sejam textos ou vídeos forjados, quem ganha quando a desinformação viraliza?

Além do “tio do zap”, profissionais

Quando falamos sobre fake news é comum pensar na figura caricata daquele parente ou conhecido que espalha polêmicas nas redes. Porém, longe de serem simples obras do acaso ou tão somente espontâneas, por trás de cada fake news existem interesses diversos de grupos de indivíduos para impor suas ideias e narrativas à sociedade.

Nessa linha, o escritor Giuliano Da Empoli dá o nome de Os Engenheiros do Caos à sua obra sobre como as fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar eleições [saiba mais]. Muito além do “tio do zap”, se configura uma engenharia que forja padrões para simular inclusive uma estética com memes bombásticos e artes supostamente amadoras – levando a desinformação para potenciais vítimas que se tornam propagadoras da rede de ódio.

Não se trata apenas de não informação ou ausência de informação. Como aponta o professor José Carlos Vaz em diversas discussões, a desinformação se manifesta “como ação política, com o objetivo e propósito de desinformar”. Assim, sendo artificialmente produzida e disseminada por profissionais, busca criar conexões entre histórias causais para desarticular a realidade [saiba mais]. Compreender que a manipulação massiva de narrativas e a dissolução da realidade são ensaios encomendados torna possível encarar as milícias digitais como tais profissionais do crime que são.

No entanto, ainda que as milícias digitais forcem um monopólio do uso destas tecnologias, não podemos, de forma alguma, caminhar para um debate de criminalização da tecnologia. Pelo contrário, o crime está na forma maliciosa como tais instrumentos são usados; e o desafio, portanto, está em fazer da tecnologia uma aliada no enfrentamento de tais redes profissionais de desinformação. Inclusive, sobre tais redes, temos visto com as ações do Sleeping Giants como o financiamento é determinante para potencializar a desinformação [saiba mais] – nos restando tal brecha para desarticular o crime em seu sustento, na linha debatida pela Mapeo sobre o Projeto de Lei das Fake News.

Porém, em nível estrutural e de disputa da sociedade, como qualificar este ou qualquer debate público se as discussões ficam cada vez mais contaminadas por um ambiente pautado pela desinformação e por usuários falsos e robôs que influenciam algoritmos e mobilizações virtuais? É possível saber o que é real em meio a tanta desinformação?

Uma distopia da desinformação?

Não é de hoje que a realidade está em disputa, inclusive a disputa faz parte de uma sociedade que se propõe à democracia. Em uma sociedade mais conectada, porém, o diferencial está na potência, volume e velocidade com que tais tecnologias podem propagar e impor narrativas; ou ainda nas técnicas de manipulação da realidade que um vídeo falsificado, por exemplo, pode ter ao parecer mais realista. Em muitos casos, nem é necessária tanta sofisticação gráfica, pois basta descolar contextos ou criar propositalmente confusão e incertezas no debate para que determinada pauta fique prejudicada, como aponta a professora Gabriela Lotta em referência ao cientista político Richard Matland.

Com o uso criminoso de tais tecnologias, a disputa política da sociedade, que já é repleta de desigualdades, se torna ainda mais desequilibrada, enfraquecendo a democracia na medida em que as narrativas encomendadas e operadas por profissionais são favorecidas. Criam-se conflitos, ambiguidades e isso ainda se soma ao mantra de uma suposta imparcialidade política em determinados debates mais técnicos, afastando mais ainda a sociedade da discussão política. Até porque fica mais fácil manter a desinformação como prática quando o cidadão não tem acesso à discussão real da sociedade, restando apenas a abstração de teorias da conspiração resumidas a montagens polêmicas e notícias falsas.

Logo, ainda que a fachada democrática seja preservada esteticamente, o Estado de exceção é incrementalmente fortalecido na medida em que a realidade passa a ser desconfigurada por conflitos distorcidos e mais desiguais, inclusive fazendo uso oportunista das instituições e da estrutura pública – nas quais robôs criam volume ao subir hashtags e impõem pautas encomendadas.

Em contraponto à barbárie de uma distopia da desinformação, resta a maturidade de que a própria ciência e as instituições estão em disputa constante por atores diversos. Porém, enquanto grupos de indivíduos profissionalizam a desinformação para tal disputa, eis o desafio de subtrair a influência da desinformação nos setores potencializadores de narrativas em seus micros ou macroambientes – sem penalizar, no entanto, a disputa democrática e legítima da realidade e seus significados.

Além, para viabilizar uma disputa mais democrática da sociedade, o desafio está em aproximar pessoas reais dos espaços de circulação e debate de ideias e de informações qualificadas e acessíveis. Mais ainda, pois defender o acesso à informação de qualidade depende da existência de uma democracia fortalecida e em funcionamento; na mesma medida que defender uma democracia fortalecida e em funcionamento depende do acesso às informações em disputa, sem ruídos ou distorções encomendadas.

Assim, nem encarar os avanços tecnológicos como utopia, nem criminalizá-los, mas encarar cientificamente e democraticamente o desafio de se combater interesses que dissolvem a realidade diariamente em benefício próprio. Até porque mais perigoso do que acreditar em notícias falsas, é chegar ao ponto de desacreditar da realidade sem mais saber o que é real.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.