Reunido em museu, acervo histórico resgata memória da psicologia

Objetos, equipamentos, fotos e documentos contam a história da psicologia como ciência e do Instituto de Psicologia desde sua fundação

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Um dos maiores especialistas do Brasil em comportamento animal, César Ades esteve na direção do Instituto de Psicologia (IP) da USP entre os anos de 2000 e 2004. O pesquisador foi um dos idealizadores do Centro de Memória do IP, projeto que se desdobrou em uma empreitada que se concretiza nesta semana, no dia 6 de maio: a inauguração do Museu de Psicologia.

Morto em 2012 por atropelamento, Ades é um dos cientistas que podem ter sua biografia conhecida na seção Arquivos Históricos do museu. Ele coordenou pesquisas como a que treinou uma cadela vira-lata para diferenciar frases com dois termos e usar teclas para se comunicar com humanos. Com aranhas, o pesquisador comprovou que elas são capazes de memorizar informações e por meio dessa habilidade, aperfeiçoar instintos básicos como os relacionados à caça e a construção de teias.

O Museu de Psicologia tem como objetivo resgatar e preservar a memória da psicologia como ciência e do próprio instituto desde sua criação, em 1969. O acervo é composto por fotografias, documentos, obras raras, periódicos antigos, audiovisuais, teses e equipamentos utilizados em pesquisas. Além de preservar a história, o museu também estará aberto para realização de pesquisas e de outras atividades acadêmicas como exposições, debates e seminários.

Laboratório de Pedagogia Experimental da Escola Secundária de São Paulo - Foto: Acervo do Museu de Psicologia
Laboratório de Pedagogia Experimental da Escola Secundária de São Paulo – Foto: Acervo do Museu de Psicologia

Nas seções Fotos e Equipamentos é possível conhecer registros fotográficos e objetos antigos que fizeram parte do cotidiano do trabalho e das pesquisas da área de psicologia. É o caso da filmadora Paillard Matic, marca Bolex, modelo REflex H16 – utilizada para registro do comportamento de formigas saúvas em uma tese de doutorado, defendida no ano de 1973. Outra peça do acervo é a máquina de escrever manual, marca Remington, modelo C. Pratt, tipo 80 espaços, comprada em 1951 pelo valor de Cr$2.50. A máquina de escrever teve utilidade na administração da instituição até a década de 70, quando foi substituída por máquinas elétricas da IBM.

Antigo palacete da alameda Glete . No local, se ensinava psicologia experimental, em moldes geostáticos, em um pequeno laboratório localizado no porão da mansão - Foto: acervo do Museu de Psicologia
Antigo palacete da alameda Glete. No local, se ensinava psicologia experimental, em moldes geostáticos, em um pequeno laboratório localizado no porão da mansão – Foto: Acervo do Museu de Psicologia

Segundo Teresa Peres, coordenadora do museu, que também estará aberto à visitação pública, além de preservar a história institucional, “o museu cumprirá um papel social”. As pessoas que frequentarem o espaço “terão a oportunidade de conhecer as pesquisas desenvolvidas no instituto e saber dos serviços de extensão oferecidos à comunidade”, como o Serviço de Orientação Profissional que atende estudantes a partir de 14 anos com dúvidas sobre a escolha de uma carreira e de outras atividades profissionais. Para Aparecida Angélica Zoqui Paulovic Sabadini, chefe técnica da biblioteca e coordenadora do Centro de Memória do IP, a criação do museu abrirá “possibilidades de novos horizontes de cultura e extensão ao Instituto de Psicologia”.

Centro de Memória

O Museu de Psicologia foi concebido a partir das atividades e do acervo do Centro de Memória do IP, criado em 2001. Segundo Angélica, devido ao sucesso do acervo e dos diversos trabalhos realizados pelo centro e também pelo reconhecimento da comunidade, foi apresentada proposta para transformar o centro de memória em museu, que foi aprovada por unanimidade pela congregação do instituto, em 2015.

O Instituto de Psicologia como uma unidade de graduação da USP foi criado em 1969. Sem prédio definitivo, por muitos anos as aulas foram ministradas em barracões provisórios, instalados próximo à Raia Olímpica, da Cidade Universitária. Em 1970, foi implantada a pós-graduação na instituição. Inicialmente, o mestrado, e em seguida, em 1974, o doutorado. Atualmente, o IP tem quatro departamentos: Psicologia da Aprendizagem do Desenvolvimento e Personalidade, Psicologia Clínica, Psicologia Experimental e Psicologia Social e do Trabalho.

Inauguração

O Museu de Psicologia será inaugurado dia 6 de maio, às 14 horas, com sede na Biblioteca Dante Moreira Leite do Instituto de Psicologia, Av. Prof. Mello Moraes, 1721, Cidade Universitária, Butantã.

O horário de funcionamento será das 8 às 18 horas. São esperados pesquisadores e alunos de psicologia e de áreas afins e a comunidade em geral.

Mais informações: (11) 3091-4391, email mipusp@gmail.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados