“Manhã com Bach” chega à centésima edição

Rádio USP leva ao ar o número 100 do programa que, criado em dezembro de 2014, é inteiramente dedicado à divulgação da obra do compositor alemão Johann Sebastian Bach

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Roberto Castro: obras autênticas e na íntegra - Foto: Cecília Bastos
Roberto Castro: obras autênticas e na íntegra – Foto: Cecília Bastos

.
“Não Bach (‘riacho’, em alemão), mas Ozean (oceano) ele deveria se chamar.” Dessa forma, fazendo um trocadilho com as palavras em alemão, o músico Ludwig van Beethoven se referiu ao compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750), destacando o caráter inesgotável de sua música. Considerado um dos maiores compositores de todos os tempos, Bach tem sua obra divulgada semanalmente através do programa Manhã com Bach, da Rádio USP (93,7 MHz), que nos dias 29 e 30 de outubro apresentou sua edição número 100.

Criado em dezembro de 2014, Manhã com Bach vai ao ar sempre aos sábados, às 9 horas, com reapresentação aos domingos, também às 9 horas, e tem uma hora de duração. Ele é dedicado integralmente à divulgação da música de Bach. “Acredito que o programa representa uma contribuição cultural bastante relevante, uma vez que a obra de Bach é um dos maiores patrimônios da cultura ocidental”, afirma o produtor e apresentador do programa, jornalista Roberto Castro.

Ele destaca que, ao produzir os programas, tem a preocupação de selecionar interpretações que buscam se aproximar ao máximo das obras originais, tais como Bach as concebeu. Por isso, as orquestras que predominam em Manhã com Bach são aquelas regidas por músicos como o holandês Ton Koopman, o belga Philippe Herreweghe, o inglês John Eliot Gardiner e o alemão Nikolaus Harnoncourt, que têm a proposta declarada de tocar Bach da forma mais próxima do original – inclusive utilizando instrumentos barrocos. “Acho interessantes as experimentações que fazem com a música de Bach, executando, por exemplo, os Concertos de Brandemburgo em ritmo de jazz”, ressalta Castro. “Mas acredito que é preciso existir espaços também para se ouvir o Bach autêntico, e um desses espaços é o programa Manhã com Bach.”

Dagoberto Alves: técnica apurada - Foto: Cecília Bastos
Dagoberto Alves: técnica apurada – Foto: Cecília Bastos

Outra característica de Manhã com Bach, de acordo com Castro, é que o programa só exibe músicas na íntegra, e não apenas trechos delas. Em casos de obras de longa duração – como acontece com a Paixão Segundo São Mateus, que leva quase três horas para ser executada -, a música é apresentada ao longo de mais de um programa. Para o jornalista, é “inconcebível” divulgar apenas partes da obra. Ele cita como exemplo a famosa composição Jesus, Alegria dos Homens, que se trata apenas de um movimento da cantata Herz und Mund und Tat und Leben (BWV 147). “É uma cantata extraordinária, mas a maioria das pessoas só conhece dela esse movimento”, diz. “Para mim, isso equivale a ler só uma das partes da Divina Comédia ou trechos de Don Quixote.”

Responsável pela sonoplastia de Manhã com Bach, o sonoplasta Dagoberto Alves, que atua na Rádio USP há mais de 20 anos, relembra as origens do programa. “O Roberto chegou até mim com uma proposta de programa sobre a obra de Bach. Eu conversei com ele e ficamos de fazer um primeiro piloto”, conta Alves. “O resultado não foi tão bom, mas depois gravamos um outro piloto, que ficou melhor e foi ao ar. A partir daí definimos um formato de sucesso que se repetiu até chegar na centésima edição.”

Para Castro, o sucesso de Manhã com Bach está associado ao trabalho de Dagoberto Alves. “Ele é um profissional de excelência, que entende muito do que faz”, diz. “Por isso a parte técnica do programa é tão boa, o que está de acordo com a qualidade da música apresentada.”

O programa Manhã com Bach está disponível no site do Jornal da USP (www.jornal.usp.br).

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados