Radar meteorológico de alta resolução vai aprimorar previsão de chuvas na Grande São Paulo

Equipamento com alcance de 60 quilômetros monitora chuvas com alta precisão e permitirá prever deslocamento de tempestades com até uma hora de antecedência

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn3Print this pageEmail
Informações sobre tempestades serão fornecidas aos serviços de alerta de emergências – Foto: Beedieu/Visualhunt

.
Uma chuva que aconteça em um espaço pouco menor que 75 por 75 metros quadrados (m2), numa distância de 60 quilômetros (km) da cidade de São Paulo, pode ser detectada com exatidão pelo novo radar meteorológico que será inaugurado dia 14, às 10 horas, no Parque de Ciência e Tecnologia (CienTec) da USP. Instalado no bairro da Água Funda, na Zona Sul de São Paulo, próximo às nascentes do rio Ipiranga, o radar tem uma área de cobertura que corresponde a um círculo com raio de 60 quilômetros, cobrindo adequadamente a cidade de São Paulo. O equipamento de alta resolução vai monitorar a ocorrência de chuvas e auxiliará na previsão do deslocamento de tempestades em curtíssimo prazo, podendo apontar em que regiões ou bairros haverá precipitação com até uma hora de antecedência e fornecendo informações para os serviços de alerta de emergências.

 

slide
O Equipamento com alcance de 60 quilômetros monitora chuvas com alta precisão - Foto: Marcos Santos
slide
O Equipamento com alcance de 60 quilômetros monitora chuvas com alta precisão - Foto: Marcos Santos
slide
O Equipamento com alcance de 60 quilômetros monitora chuvas com alta precisão - Foto: Marcos Santos
slide
O Equipamento com alcance de 60 quilômetros monitora chuvas com alta precisão - Foto: Marcos Santos
slide
O Equipamento com alcance de 60 quilômetros monitora chuvas com alta precisão - Foto: Marcos Santos
Prev
Next

.
A antena do radar tem aproximadamente 3 metros (m) de altura e sua torre, um pouco mais de 42 m, totalizado 45 m, próximo às cabeceiras do rio Ipiranga. No chão, fica o gabinete onde estão colocados os computadores que processam as informações obtidas pelo radar. “O equipamento é projetado para monitorar e quantificar a precipitação atmosférica”, explica o professor Mário Thadeu Leme de Barros, do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental (PHA) da Escola Politécnica (Poli) da USP, um dos coordenadores do projeto. “O radar emite uma radiação eletromagnética que é refletida pelas gotículas de chuva e retorna para a antena. A quantidade de radiação que volta determina a intensidade da chuva e o tempo de retorno define a distância em que a precipitação se encontra.”

Professor Mário Thadeu Barros: "Radar meteorológico de alta resolução vai aprimorar previsão de chuvas na Grande São Paulo" - Foto: Marcos Santos/ USP Imagens
Professor Mário Thadeu Leme de Barros: “O equipamento é projetado para monitorar e quantificar a precipitação atmosférica” – Foto: Marcos Santos/ USP Imagens

“O equipamento é projetado para monitorar e quantificar a precipitação atmosférica”

O equipamento opera na Banda X, especial para a detecção da água das chuvas, cuja alta resolução espacial permite medir chuvas pouco intensas com grande precisão. “A área de cobertura compreende um raio de 60 quilômetros, cobrindo de modo adequado a cidade de São Paulo”, aponta Barros, lembrando que o radar meteorológico doppler Banda S de Ponte Nova, do Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE), operado pela Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica (FCTH), vinculada à Poli, possui um raio de alcance de 200 km. “Entretanto, enquanto o radar de Ponte Nova consegue identificar chuva numa área de um 1 km2, o equipamento Banda X consegue detectar precipitação em um espaço de 75X75 m2, de um em um minuto.”

O novo radar foi construído pela empresa francesa Novimet e doado pelo governo da França, por meio do programa de fomento à pesquisa do Ministério das Finanças e Contas Públicas. O valor de mercado do equipamento é calculado em 450 mil euros. O investimento total do governo francês foi de 860 mil euros, o que inclui o desenvolvimento de um software para fazer previsões de inundações. Para dar suporte à Poli e ao Departamento de Ciências Atmosféricas do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP no projeto, a FCTH investiu R$ 800 mil.

Monitoramento

Foto: Eduardo Duarte/Visualhunt
Foto: Eduardo Duarte/Visualhunt

Toda a gestão técnica, que inclui a instalação do equipamento, bem como sua operação e manutenção, inclusive peças de reposição, está a cargo da FCTH, que utilizará o equipamento no monitoramento hidrometeorológico para a Central de Alerta de Inundações do DAEE, Sistema de Alerta da Defesa Civil do Estado de São Paulo e Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura Municipal de São Paulo “O equipamento vai funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana, operado remotamente”, destaca o professor da Poli. “Os dados fornecidos pelo radar podem ser acessados online em tempo real.”

Na área de pesquisa, o radar será utilizado para estudos de processos hidrometeorológicos, como a movimentação dos ventos, além de auxiliar nas investigações sobre a formação de descargas atmosféricas (raios e trovões) e na formação de especialistas em radar meteorológico. “Na parte de prestação de serviços, o equipamento fornecerá informações detalhadas aos gestores dos serviços de emergência, na medida em que a combinação de dados sobre chuva, ventos e descargas atmosféricas permite fazer previsões sobre a intensidade e o deslocamento das tempestades”, afirma o professor Carlos Augusto Morales, do IAG, que também coordena o projeto. “De posse dessas informações, será possível planejar e executar medidas não estruturais que protejam a população de inundações, como interdições de vias e evacuações.”

Exemplo de como a página chuvaonline.iag.usp.br irá apresentar em tempo real a movimentação das chuvas na área do radar - Foto: Divulgação/IAG
Exemplo de como a página chuvaonline.iag.usp.br irá apresentar em tempo real a movimentação das chuvas na área do radar – Foto: Divulgação/IAG

O novo equipamento aumentará o grau de precisão das previsões de chuva no curtíssimo prazo (nowcasting), com horizonte de até uma hora de duração – o radar Banda S possibilita previsões com horizonte de duas a três horas. “Nas áreas urbanas, existem bacias hidrográficas nas quais 20 ou 30 minutos de chuva já provocam inundações. Com o radar será possível prever para qual região, bairro ou rua a tempestade irá se deslocar”, ressalta Morales. Na internet, a página http://chuvaonline.iag.usp.br irá apresentar em tempo real a movimentação das chuvas na área do radar. “Na medida em que o equipamento for sendo testado e calibrado com as medições da chuva feitas no solo, novas informações serão oferecidas, fornecendo um serviço de utilidade pública para a população.”

Carlos Augusto Morales: Radar meteorológico de alta resolução vai aprimorar previsão de chuvas na Grande São Paulo - Foto: Marcos Santos/ USP Imagens
Carlos Augusto Morales: “será possível planejar e executar medidas não estruturais que protejam a população de inundações” – Foto: Marcos Santos/ USP Imagens

O projeto do radar meteorológico foi desenvolvido no Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAP) Centro de Estudos e Pesquisas em Desastres (Ceped), que conta com a participação de pesquisadores do IAG e da Poli. O convênio com o governo francês foi viabilizado pela Poli e IAG, com participação do Ceped e da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP. Durante o evento de inauguração, serão realizadas apresentações sobre o radar, além da visitação ao equipamento. O Parque Cientec está localizado na av. Miguel Stéfano, 4.200, Água Funda, São Paulo.

O professor Mario Thadeu Leme de Barros também deu entrevista ao repórter Fabio Rubira, da Rádio USP. Ouça a seguir:

 

Mais informações: emails carlos.morales@iag.usp.br, com o professor Carlos Augusto Morales, e mario.barros@poli.usp.br, com o professor Mario Thadeu Leme de Barros

.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn3Print this pageEmail

Textos relacionados