Enigma da física, matéria escura é quatro vezes mais abundante do que a conhecida

Hoje, há muitas evidências de que a matéria escura, conhecida como a “massa faltante”, é real e permeia todo o Universo

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

 

logo_radiousp790px
.

Pela primeira vez, a matéria escura pode ter sido observada interagindo com outras matérias escuras de uma forma que não seja por meio da força da gravidade. Observações de galáxias em colisão feitas com o Telescopio do ESO e o Telescópio Espacial da NASA / ESA Hubble. Primeiros indícios intrigantes sobre a natureza deste componente misterioso do Universo. Foto: ESO
Observaçãos de galáxias em colisão feitas com o Telescópio do ESO e o Telescópio Espacial da Nasa / ESA Hubble – Foto: ESO

Em sua coluna semanal, João Steiner trata da matéria escura, descoberta na década de 1930 por um astrônomo suíço que trabalhou nos Estados Unidos. Ele mediu a massa de um aglomerado de galáxias e mostrou que a massa desse conjunto era muito maior do que a soma das massas das galáxias individuais. A essa diferença ele deu o nome de matéria escura. No início, porém, como não é raro acontecer diante de novas descobertas científicas, não foi levado a sério. Mas ela existe, e é um dos principais enigmas da astronomia, da física e da ciência contemporânea, que já sabe que ela tem gravidade mas não emite nenhum tipo de radiação, sendo invisível aos olhos e aos instrumentos.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados