Construção civil destrói postos de trabalho em Ribeirão Preto

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados mostram destruição de postos de trabalho na construção civil, em setembro, na região de Ribeirão Preto

Por - Editorias: Atualidades
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Foto: Dênio Simões/ Agência Brasília
A construção civil teve o pior desempenho na análise setorial – Foto: Dênio Simões/ Agência Brasília

.
A Região Administrativa de Ribeirão Preto (Rarp) registrou saldo de 795 demissões em setembro, valor muito inferior às 2.089 demissões registradas no mesmo mês em 2015. A exemplo do que ocorre nos cenários nacional e estadual, nota-se que as demissões líquidas ainda continuam, mas parecem ter tomado ritmo menos intenso que no ano passado.

O levantamento é do Boletim Mercado de Trabalho do Ceper-Fundace, ligado aos especialistas da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP. A análise tem base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

O Boletim Mercado de Trabalho mostra que o comércio foi o único setor que criou vagas na região no período (191 vagas líquidas). A agropecuária foi o setor com o pior desempenho, com 568 demissões líquidas. O saldo acumulado entre outubro de 2015 e setembro de 2016 foi de 10.048 demissões líquidas, montante inferior às 12.569 demissões contabilizadas nos 12 meses imediatamente anteriores.

Os dados do Caged indicam destruição de vagas em todas as regiões analisadas no mês de setembro, com exceção do município de São José do Rio Preto, que registrou a criação de postos de trabalho. O País, como um todo, e o Estado de São Paulo exibiram saldo de demissões líquidas pelo décimo oitavo mês consecutivo.

Foto: Pedro Bolle/USP Imagens
Comércio foi o único setor que criou vagas – Foto: Pedro Bolle/USP Imagens

Ainda que o cenário exibido seja de demissões, todas as regiões analisadas apresentaram melhor desempenho em setembro de 2016 em comparação com setembro de 2015, reduzindo o montante de vagas destruídas ou, no caso do município de São José do Rio Preto, revertendo o saldo de demissões registrado no mesmo mês do ano anterior para um saldo de admissões este ano”, analisa o pesquisador do Ceper, Sergio Sakurai.

No acumulado dos últimos 12 meses analisados – outubro de 2015 e setembro de 2016 –, todas as regiões apresentaram demissões líquidas, conforme aponta o estudo do Ceper. O País, como um todo, o Estado de São Paulo e os municípios de Campinas e São José do Rio Preto indicaram aumento no montante de vagas destruídas no saldo acumulado, enquanto a Rarp e municípios de Ribeirão Preto, Sertãozinho e Franca apresentaram redução no saldo de demissões do acumulado.

Setorialmente, os dados mostram que a indústria criou vagas em nível nacional e no município de Franca. O setor de comércio contratou em nível nacional, regional (Rarp) e em Ribeirão Preto, enquanto serviços foi importante para o município de São José do Rio Preto. A Construção Civil teve o pior desempenho na análise setorial, exibindo saldo positivo somente no município de São José do Rio Preto.

“Embora muitos indicadores demonstrem expectativas otimistas, os dados do mercado de trabalho indicam sinais de que a recuperação regional se dará de forma lenta”, analisa Sakurai.

O Boletim Mercado de Trabalho está disponível, na íntegra, no site da Fundace.

Mais informações: 16 3931-1313.

Por: Assessoria de Comunicação da Fundace

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados