Pesquisa da USP busca pacientes com depressão refratária

Estudo vai avaliar tratamento com eletroconvulsoterapia, técnica que age sobre os neurotransmissores cerebrais

Depressão refratária é aquela que persiste mesmo com o uso de medicamentos – Foto: Freepik

.

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP busca voluntários, homens e mulheres, de 18 a 60 anos, que apresentem depressão refratária (aquela em que os sintomas persistem mesmo após o tratamento com antidepressivos) para estudo com tratamento baseado em eletroconvulsoterapia (ECT), que consiste na aplicação de um estímulo elétrico no cérebro, indolor e administrado sob leve anestesia. A técnica age sobre os neurotransmissores cerebrais.

+ Mais

Tratamento de depressão grave com campos eletromagnéticos será testado na USP

Eletroconvulsoterapia é alternativa em casos graves de depressão

De acordo com os pesquisadores da USP, a ECT é um procedimento controlado e seguro que produz bons resultados para pacientes que não melhoram da depressão com as medicações, ou ainda que não possam fazer uso de remédios, como gestantes e idosos.

Os pacientes selecionados para o estudo também passarão por exames de imagem (ressonância magnética), neuropsicológico e laboratoriais. Os interessados devem preencher um formulário de inscrição on-line neste link para triagem e aguardar retorno do grupo de estudo.

.

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.