Acompanhe a história final da carreira de David Bowie

No último programa da série sobre Bowie, Mario De Vivo apresenta as fases finais da carreira do cantor, como a participação na banda Tin Machine

Por

Na edição desta semana do História do Rock, Mario De Vivo finaliza a história da carreira de David Bowie, contando o ocorrido no final dos anos 80, quando a entrada de Bowie na banda chamada Tin Machine se torna marco radical de mudança na carreira do artista. Foi então, segundo De Vivo, que Bowie passou a ficar mais escondido do estrelato, numa fuga dos holofotes que marcou todo o restante da carreira. Em 1989, a Tin Machine lançou o álbum de estreia que fez sucesso entre os fãs, mas sem agradar tanto o grande público. Uma das músicas desse álbum é I Can’t Read.

Bowie retomou sua carreira solo e em 1995 lançou uma música eletrônica, em colaboração com Brian Eno, Hallo spaceboy. Com a chegada do século 21, David Bowie entra num período que ele mesmo chama de mais realista; o resultado é o álbum de 2003, Reality. Segundo De Vivo, a música New Killer Star, integrante deste álbum, fala sobre a paisagem de New York após o atentado em setembro de 2001.

No ano seguinte, o artista diminui sua produtividade após passar por uma intervenção cirúrgica por conta de problemas cardíacos e só retoma sua carreira lançando os álbuns The Next Day, de 2013, e Blackstar, de 2016. O professor De Vivo encerra o programa com duas músicas sombrias do artista: Where are we now, do álbum The Next Day, e Lazarus, do álbum Blackstar. David Bowie faleceu em janeiro de 2016, vítima de um câncer.

Na próxima edição do História do Rock, acompanhe De Vivo na história do álbum Red Sea, da banda inglesa Warhorse. Segundo o professor, apesar de pouco conhecida no Brasil, a Warhorse tem músicas de alta qualidade.

 

Os ouvintes podem enviar sugestões e comentários para o e-mail: rocknausp@usp.br.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.