Saúde Pública usa telhados verdes para combater ilhas de calor

Unidade usa tecnologia sustentável do ponto de vista ambiental

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Localizada na Av. Dr. Arnaldo, Centro expandido de São Paulo, uma das maiores e mais poluídas metrópoles do mundo, a Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP tenta fazer sua parte para diminuir as "ilhas de calor" e problemas com a poluição atmosférica da cidade.Apesar de ser uma Faculdade que realiza pesquisas na área de saúde e para melhorar a qualidade de vida das pessoas, está inserida num entorno totalmente poluído e com excesso de calor. Seu novo prédio que abriga Biblioteca, salas de aulas, auditório e outros serviços, tem uma arquitetura moderna composta de concreto e vidros, o que se por um lado proporciona bastante claridade e praticidade a seus usuários, por outro deixa seu interior super aquecido, pois seu telhado é composto por material de fibra transparente, o que concentra excesso de calor em seu interior e prejudica as condições de trabalho e de saúde de seus funcionários e desconforto térmico aos alunos e usuários.Para tentar resolver ou ao menos amenizar esse problema, FSP/USP está usando uma tecnologia sustentável do ponto de vista ambiental e criativa. Trata-se do "telhado verde", um procedimento amplamente disseminado em países escandinavos, Alemanha e que aos poucos conquista adeptos na América Latina, como no caso do México, que está usando largamente este recurso. Além, de Bolívia (

La Paz ) e Cuba.A FSP/USP está construindo um jardim suspenso sobre o telhado de fibra de seu prédio novo, composto inicialmente por mudas de maracujá, que espalham seus galhos e folhas pelo telhado, quebrando a incidência direta dos raios solares sobre o mesmo , o que diminui o calor interno do prédio e ruído em períodos de chuva.Essa técnica é estudada pela Universidade de Humboldt, em Berlim, como alternativa para sanar não só problemas como "ilhas de calor", mas também de poluição atmosférica, redução de calor transmitido para o interior das edificações. Trata-se de um sistema de "naturação urbana". A naturação urbana tenta transformar em biótopos, os edifícios e espaços urbanos, a fim de que, unidos através de corredores verdes (vários prédios com jardins sobre os telhados), eles facilitem a circulação atmosférica e melhorem o microclima das grandes cidades.O aumento do volume de plantas no espaço urbano, acaba afetando de forma benéfica o microclima das cidades. Além disso, para as regiões de chuva intensa, as áreas naturadas podem servir de retentoras de água de chuva, prevenindo, desta forma, a ocorrência de enchentes.O projeto da FSP/USP ainda está no início e quer envolver toda a Comunidade FSP (docentes, funcionários e alunos) para construir e cuidar desse jardim suspenso, assim como, servir de exemplo para que outros prédios da cidade tomem tal iniciativa. A comunidade da FSP poderá contribuir trazendo mudas de trepadeiras e sugestões que venham a agregar soluções adequadas ao ambiente edificado.

Mais informações podem ser obtidas na Assessoria de Comunicação Institucional da FSP através do telefone (11) 3081-5091, com Marcellus William Janes.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail