Pesquisa traz a história de mulheres expedicionárias no Brasil

A etnóloga Wanda Hanke e a arqueóloga Betty Meggers lideraram expedições científicas no País entre 1933 e 1968

Por - Editorias: Ciências Humanas
  • 932
  •  
  • 5
  •  
  •  

Pesquisadora do Museu de Arqueologia e Etnologia fez o levantamento de mulheres que realizaram expedições científicas no começo do século 20. Na imagem, uma delas: a etnóloga Betty Meggers – Foto: Divulgação / Museu Emílio Goeldi

.
LLivros didáticos e de História da Ciência trazem poucas citações sobre mulheres que se aventuraram pelo Brasil realizando expedições científicas.

Mas a pesquisadora do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, Mariana Sombrio, resgatou algumas dessas expedicionárias que atuaram no País entre 1933 e 1968. Entre elas, estão a etnóloga Wanda Hanke – que também era formada em medicina, direito e filosofia – e a arqueóloga Betty Meggers, que tem influência até hoje na arqueologia da América do Sul.

Wanda passou 25 anos pesquisando grupos indígenas do Brasil, Argentina, Bolívia e Paraguai. Betty chegou ao País em 1948 e foi uma pioneira nos estudos da arqueologia amazônica.

Para a Mariana, é muito importante mostrar essa representatividade feminina a crianças e adolescentes, que podem imaginar a si mesmas em qualquer profissão.

Assista ao vídeo:

.

  • 932
  •  
  • 5
  •  
  •  

Textos relacionados