Doação de órgãos ainda é baixa no Brasil

Apesar do aumento no número de doações, em dezembro de 2016 a lista de espera contava com mais de 40 mil pessoas

 19/10/2017 - Publicado há 4 anos

Em 2016, o Brasil registrou o maior número de doadores efetivos da história, com 2.983 doadores. No mesmo ano, outro recorde foi o de 357 transplantes de coração, com crescimento de 13% em relação a 2015. Entretanto, na fila de espera, havia mais de 40 mil pessoas em dezembro do ano passado.

O professor Orlando de Castro e Silva Júnior, do Departamento de Cirurgia e Anatomia e coordenador do Grupo de Transplante de Fígado do Hospital das Clínicas, ambos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, fala que esse aumento ainda é lento comparado a países como Estados Unidos e outros da Europa, como a Espanha. “Fazemos menos transplantes do que deveria e poderia ser feito.”

Por: Giovanna Greppi


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.