Cirurgia bariátrica pode ser importante para controle de comorbidades e doenças associadas

A avaliação é de Marco Aurélio Santo ao comemorar o avanço da vacinação contra a covid, fator que permitiu que intervenções voltem a ser feitas, promovendo perda do excesso de peso de forma satisfatória

 Publicado: 11/11/2021
A cirurgia bariátrica volta a ser feita num momento em que a obesidade é tida como um fator de risco para o coronavírus – Foto: Pxfuel

 

Durante a pandemia de covid-19 e o período de isolamento social, cirurgias como a bariátrica deixaram de ser feitas. O Sistema Único de Saúde (SUS), por exemplo, registrou queda de mais de 900 milhões de procedimentos. Agora, com o avanço da vacinação, essas intervenções voltam a ser feitas nos hospitais do País.

O professor Marco Aurélio Santo, da Faculdade de Medicina da USP e diretor da Unidade de Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital das Clínicas, lembra ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição que a obesidade foi apontada como um fator de risco para o coronavírus. “Na medida em que a gente volta a ter condições de indicar a cirurgia, para nós é uma grande conquista”, diz.

Marco Aurélio Santo – Foto: Reprodução/Fapesp

Santo conta que a bariátrica é muito importante para o controle de comorbidades e doenças associadas, como diabete. “A cirurgia tem suas indicações nas formas graves de obesidade […] e é efetiva no sentido de promover a perda do excesso de peso de uma forma bastante satisfatória e sustentar essa perda”, afirma. 

Ele ressalta a participação de uma equipe multidisciplinar e o engajamento do paciente durante os preparativos para o procedimento. Pacientes que contraíram o coronavírus passam por avaliações para determinar a segurança de serem submetidos a uma cirurgia.

O pós-operatório está associado a mudanças na rotina, como a adoção de uma dieta saudável e a prática de atividades físicas. “São atitudes que fazem aumentar a efetividade da cirurgia.”

“A gente tem destacado muito que o controle da obesidade e de doenças metabólicas permite ter vários desfechos favoráveis”, conclui o professor, ao pontuar o impacto positivo da cirurgia na redução da gravidade da covid-19.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.