Células do sistema nervoso são a chave para entender o autismo

Patrícia Beltrão Braga, coordenadora do Projeto Fada do Dente, explica relações entre as células nervosas que ajudam a elucidar o transtorno

Astrócito emitindo numerosas extensões estreladas (em verde). A cor azul representa os núcleos das outras células presentes na cultura – Foto: Karin Pierre, Instituto de Fisiologia, UNIL, Lausanne via Wikimeedia Commons / bb

Apesar de uma a cada 59 crianças no mundo ser autista, o funcionamento da doença ainda intriga muitos especialistas. O Projeto Fada do Dente, coordenado pela professora do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, Patrícia Beltrão Braga, utiliza a polpa de dentes de leite para obter células nervosas de pacientes portadores do transtorno.

Os resultados obtidos pela comparação entre as células de autistas e de indivíduos neurotípicos mostram a importância do astrócito para o mau funcionamento do sistema nervoso. Em pessoas portadoras do transtorno, os astrócitos produzem uma citocina em excesso, que acarreta uma neuroinflamação no cérebro. Os pesquisadores, então, utilizaram-se de um anticorpo para bloquear a ação desta citocina e obtiveram um resultado inesperado: o funcionamento do neurônio foi resgatado.

A professora ainda explicou as dificuldades em transformar o conhecimento proporcionado pelo projeto em tratamentos clínicos para portadores do autismo.

Confira a matéria completa no áudio acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.