Ativismo urbano para uso do espaço público se choca com regressão política

Para Guilherme Wisnik, os movimentos de reivindicação pelo espaço público nos últimos anos sinalizam uma mudança comportamental da sociedade, que não abre mão de se fazer representar nesse sentido

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

 

O Minhocão - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
O Minhocão – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

 

A Avenida Paulista aberta para pedestres, a batalha pelo Parque Augusta, o uso do Minhocão aos domingos, as dinâmicas na Praça Roosevelt  são apenas alguns  sinais da maturidade a que chegou o ativismo urbano em sua reivindicação por renovados usos do espaço público. Esse amadurecimento ativista corre paralelo a uma regressão política, como o resultado das eleições municipais no último domingo deixou claro, na visão de Guilherme Wisnik, para quem esses fenômenos não podem ser analisados separadamente.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados