Prefeitura italiana quer parceria com a USP para desenvolver vitivinicultura

Cidade de Montepulciano deve disponibilizar cerca de 50 bolsas para estudantes brasileiros com o intuito de trocar informações e aprimorar conhecimentos no âmbito da produção vitivinícola

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
José Godoy, Luiz Gustavo Nussio, Fausto Longo e Barjas Negri - Foto: Cristiano Ferrari
José Godoy, Luiz Gustavo Nussio, Fausto Longo e Barjas Negri – Foto: Cristiano Ferrari

A cidade de Montepulciano, localizada na província de Siena, na Itália, quer iniciar uma colaboração com a USP com o intuito de trocar informações e aprimorar conhecimentos no âmbito da produção vitivinícola.

O senador italiano Fausto Longo esteve, na tarde desta terça-feira, 1º de novembro, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP. Ele entregou ao prefeito eleito de Piracicaba, Barjas Negri, e ao diretor da Esalq, Luiz Gustavo Nussio, uma carta do prefeito de Montepulciano, Andre Rossi, manifestando o desejo de estabelecer essa parceria. “Confirmo a disposição desta Administração Municipal em firmar um acordo a fim de que estudantes brasileiros possam participar de cursos, usufruindo de nossas estruturas, e estar no centro de trocas de know-how com nossos pesquisadores e técnicos em matéria de produção vitivinícola e olivícola”, destaca o prefeito italiano.

Fausto Longo já foi vereador em Piracicaba. Ítalo-brasileiro, hoje representa os descendentes da América do Sul no Senado italiano. Com a iniciativa, Longo reforçou a proposta de retomar a cadeia produtiva da uva tornando o Estado de São Paulo um vetor de desenvolvimento neste setor. “O Estado de São Paulo consome a maior parte do vinho produzido no Brasil e na América do Sul e, no entanto, nossa produção é muito tímida”, aponta o senador, lembrando que, no Estado, cerca de 40 municípios têm, neste elo da cadeira produtiva, importante fator de desenvolvimento.

“Piracicaba pode contribuir muito com essa iniciativa, e a Esalq será a coordenadora no quesito técnico, orientando toda a cadeia, desde os insumos até a embalagem e distribuição no mercado. Essa parceria com Montepulciano possibilitará, ainda, estreitar nossas relações com a Europa.” Na prática, o prefeito Andrea Rossi disponibilizará cerca de 50 bolsas para estudantes brasileiros.

Piracicaba pode contribuir muito com essa iniciativa, e a Esalq será a coordenadora no quesito técnico, orientando toda a cadeia, desde os insumos até a embalagem e distribuição no mercado.

A ideia é que a agricultura familiar seja favorecida por essa expansão e cooperativas se apresentem como a base das operações comerciais. “Fizemos algo muito semelhante quando implantamos uma parceria entre a prefeitura e a Coplacana e instalamos uma unidade de processamento de leite em Piracicaba”, lembrou Barjas Negri, reforçando ainda a necessidade de diversificação da agricultura local. “É preciso unir esforços, chamar outros municípios que já têm essa cultura desenvolvida para dialogar e, com o auxílio da Esalq, possibilitar o desenvolvimento das nossas áreas rurais de forma sustentável”, frisou Barjas.

O diretor da Esalq demonstrou entusiasmo pela oportunidade. “Este chamado é muito oportuno para que possamos agregar mais essa cadeia produtiva nas nossas competências. Poderemos contribuir certamente desde o cultivo até a esfera da enologia. É fundamental que a Esalq se mantenha disposta a contribuir com a construção e políticas públicas e solucionar demandas da sociedade. Além disso, temos atualmente cerca de 80 programas de relacionamento internacional e este certamente será muito importante com o município italiano”, finalizou Nussio.

Com informações de Caio Albuquerque, da Divisão de Comunicação da Esalq

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados