Laboratório de odontologia da USP foca no atendimento a atletas

Espaço está localizado na Faculdade de Odontologia, em São Paulo, e já patenteou um protetor facial

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Em março do ano passado, o atacante do São Paulo, Lucas Pratto, usou uma máscara de proteção confeccionada na Faculdade de Odontologia da USP, após fratura durante um jogo – Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net

.
A odontologia do esporte é uma área que vem crescendo muito nos últimos anos. Devido à realização da Olimpíada no Rio de Janeiro, em 2016, a demanda por um setor mais especializado e efetivo no atendimento à saúde bucal de atletas se tornou mais eminente. Na Faculdade de Odontologia (FO) da USP, em São Paulo, diversas pesquisas têm sido desenvolvidas nesse campo de estudo, além de atendimento a atletas amadores e de alta performance.

Parte desse trabalho ocorre no Laboratório de Pesquisa em Odontologia do Esporte e Biomecânica (Lapoebi). Sua atuação é voltada para o diagnóstico e tratamento dos problemas bucais que podem afetar o esportista, oferecer proteção contra traumas bucomaxilofaciais, orientar quanto aos cuidados com a saúde bucal e sua intercorrência na saúde geral, observar os cuidados com a prescrição e uso de fármacos e suas relações com o doping.

Algumas das pesquisas desenvolvidas no Lapoebi já resultaram em produtos hoje utilizados por atletas. Um exemplo são os protetores bucais. Segundo a professora Neide Pena Coto, uma das responsáveis pelo laboratório, a tecnologia criada pelos pesquisadores possibilitou uma patente cedida à USP.

 

Protetor facial desenvolvido na FO foi patenteado pela Agência USP de Inovação – Foto: Divulgação / Agência USP de Inovação

.

“Com o trabalho dos cientistas do Lapoebi, foi possível criar uma maior conscientização a respeito da saúde bucal em atletas, havendo maior conhecimento sobre a importância de um protetor bucal individualizado, por exemplo. Ao mesmo tempo, a interdisciplinaridade da odontologia do esporte também se torna evidente na maior difusão perante a população, com atuação em conjunto com profissionais da fisioterapia, psicologia e medicina, dentre outros, e como diversos fatores podem ser relacionados à saúde bucal e identificados pela boca”, conta a professora.

Outro trabalho realizado no laboratório são os marcadores salivares que podem indicar um baixo desempenho do esportista e problemas relacionados a questões psicológicas, como o estresse. A saliva é um composto rico em proteínas e anticorpos, e muitas vezes a sua alteração indica algum outro tipo de mudança no corpo.

Livro de autoria dos professores Reinaldo Brito e Dias e Neide Pena Coto

Para explorar a correlação da saúde bucal com o desempenho dos atletas, a professora Neide e o professor Reinaldo Brito e Dias, chefe do Departamento de Cirurgia, Prótese e Traumatologia Maxilofaciais da FO, escreveram o livro Odontologia do Esporte: Uma abordagem multiprofissional (MedBook).

A proposta é estimular a formação e engajamento de profissionais, ampliando o conhecimento e desenvolvimento na área. Nesse sentido, os docentes colaboram com especialistas de diversas áreas, uma vez que não há uma desvinculação entre a odontologia do esporte e as demais.

Segundo o professor Reinaldo Dias, as pesquisas no laboratório são constantes e estão sempre em busca de um aprimoramento. “O contato com a comunidade esportiva e o que é trazido pelos atletas serviram para o desenvolvimento de novas linhas de pesquisa, relacionadas a possíveis patologias bucais. Por isso, a atualização constante perante as novidades do esporte também é um impulso para a especialidade.”

O Lapoebi tem realizado, desde sua criação, um trabalho de verificação e de aprimoramento que o torna referência local e nacional na área da odontologia do esporte.

O atendimento aos atletas ocorre na Clínica Odontológica da FO, no Ambulatório de Odontologia do Esporte e Biomecânica, localizado na Av. Professor Lineu Prestes, 2.227, campus Cidade Universitária, São Paulo. O horário de funcionamento é às terças-feiras, das 14 horas às 17h30.

Adaptado de Daniel Medina/ Assessoria de Comunicação da FO

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados