Embaixadores da USP levam a Universidade até às escolas públicas

Cerca de 300 alunos de graduação e pós-graduação, professores e funcionários da USP lotaram o auditório Ariosto Milla da FAU, na tarde da última sexta-feira, dia 2 de agosto, para participar do 4º Encontro dos Embaixadores da USP.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Cerca de 300 alunos de graduação e pós-graduação, professores e funcionários da USP lotaram o auditório Ariosto Mila da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU)

Cerca de 300 alunos de graduação e pós-graduação, professores e funcionários da USP lotaram o auditório Ariosto Mila da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), na tarde da última sexta-feira, dia 2 de agosto, para participar do 4º Encontro dos Embaixadores da USP, no qual foram transmitidas informações e esclarecidas dúvidas sobre assuntos a serem apresentados aos alunos do Ensino Médio nas visitas às escolas que serão feitas pelos embaixadores.

“Estou muito emocionada, porque era esta visão que eu sonhava”, disse a pró-reitora de Graduação, Telma Maria Tenório Zorn, na abertura do encontro ao ver o auditório lotado. Ela lembrou que quando tornou-se pró-reitora de Graduação deparou-se com o recebimento de mensagens perguntando sobres valores dos cursos da USP, o que mostra um desconhecimento das pessoas sobre a Universidade e aumenta a importância da existência de programas como o embaixadores da USP. Pois, “dificilmente alguém deseja aquilo que não conhece”, citando uma frase lida no relatório de uma aluna embaixadora em 2010. Esta opinião é compartilhada pelo anfitrião do local do encontro, o diretor da FAU, Marcelo de Andrade Roméro: “O papel dos embaixadores é fundamental para mostrar à sociedade o que a USP faz não só na graduação, mas na área de pesquisa e extensão também”.

Participação de toda a comunidade USP

O Programa Embaixadores da USP, que existe desde 2007, destina-se a divulgar a Universidade nas escolas públicas de Ensino Médio do Estado de São Paulo e dar informações sobre a Universidade, especialmente seu caráter público e gratuito, a possibilidade de isenção da taxa de inscrição e acréscimo de pontos no vestibular. Durante as visitas, os embaixadores também apresentam aos alunos o programa de apoio à permanência estudantil que a USP oferece aos seus estudantes após o ingresso, por meio de bolsas e incentivos para reduzir a evasão e melhorar o desempenho acadêmico dos estudantes.

(esq. p/ dir.) O coordenador do Pasusp, Mauro Bertotti; a pró-reitora Telma; e o diretor da FAU, Marcelo de Andrade Roméro

Inicialmente, a participação como embaixador era destinada somente aos alunos de graduação que foram beneficiados pelo Inclusp e Pasusp, como forma deles mostrarem e incentivarem outros alunos de escolas públicas a também participarem do vestibular da Fuvest. Depois, ele foi estendido a todos os alunos de graduação e pós-graduação, no ano passado aos professores e, neste ano, aos funcionários e interessados em geral. Os alunos de graduação que participam dos embaixadores recebem uma ajuda de custo de R$ 100,00 para visitas às escolas no mesmo município que moram e, R$ 150,0 para as de outros municípios. E, esta participação como embaixadores vai contar como atividade acadêmica extracurricular no currículo destes alunos.

Neste ano, as visitas serão feitas principalmente entre os dias 5 a 18 de agosto – data do fim das inscrições para participar do Pasusp. Após as visitas, todos os embaixadores precisam fazer um relatório sobre as suas atividades, que servem como parâmetro para a Pró-Reitoria de Graduação acompanhar o trabalho e receber sugestões, reclamações que contribuirão para aperfeiçoar as próximas edições do programa.

Vídeo

No encontro dos embaixadores, o coordenador do Programa de Avaliação Seriada (Pasusp) e professor do Instituto de Química, Mauro Bertotti, abordou assuntos como o calendário do vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), o Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp), o Pasusp, as bolsas que fazem parte do programa de apoio à permanência estudantil. Além disso, ele explicou as mudanças aprovadas pelo Conselho Universitário (C.O) em 2 de julho, que fazem parte do Plano Institucional da Universidade que visa ao desenvolvimento de novas ações de inclusão social na Universidade, que inclui quatro medidas: o aumento e criação de novos bônus do Inclusp, a criação do Programa de Preparação para o Vestibular da USP, o aperfeiçoamento do Programa Embaixadores USP e a ampliação dos locais de prova da Fuvest no Estado de São Paulo.

Na ocasião, também foram apresentados os materiais de apoio que serão utilizados pelos embaixadores nas visitas às escolas públicas: marcador de páginas contendo as informações principais, para distribuição aos alunos; guia detalhado para cada embaixador utilizar durante a visita. Além dos materiais impressos, a próreitora gravou um vídeo com explicações sobre o Programa Embaixadores para facilitar a apresentação das informações sobre a Universidade.

Confira o vídeo e os materiais de apoio na página do programa Embaixadores da USP.

Embaixadores inscritos

Monique participa pela segunda vez do Programa Embaixadores da USP

Segundo dados do questionário socioeconômico respondido pelos inscritos na Fuvest 2013, 21% dos que participaram do Pasusp tiveram conhecimento sobre os bônus do Pasusp através dos embaixadores. E, no ano passado, cerca de 436 pessoas que participaram do Pasusp foram aprovados no vestibular. Nesta edição, há 3.030 inscritos: 2.425 alunos de graduação, 300 de pós-graduação, 151 docentes e 31 funcionários dos sete campi da USP, além de 123 pessoas de outras categorias, como ex-alunos e interessados em ajudar na divulgação da Universidade.

“Para que mais alunos de escolas públicas usufruam o direito de estudar na USP”, este foi um dos motivos pelo qual a aluna de graduação em Geologia do Instituto de Geociências (IGc), Narúbia Gonçalves, resolveu participar deste programa. Narúbia soube do programa através de outros alunos que moram no Conjunto Residencial da USP (Crusp), no qual ela reside desde o início do seu curso – a moradia estudantil é uma das ações que fazem parte do programa de apoio à permanência estudantil após o ingresso. Segundo ela, que será embaixadora neste ano pela terceira vez, uma das dificuldades é o fato das escolas e seus professores não conhecerem a USP e os seus programa de inclusão social, porém, a recompensa é encontrar muito interesse dos alunos das escolas públicas e conseguir estimulá-los a participar do vestibular e dos programas de inclusão.

Participando pela segunda vez como embaixadora, em 2011 e neste ano, a aluna do terceiro ano de graduação em Relações Internacionais do Instituto de Relações Internacionais (IRI), Monique Sousa de Moura, (foto acima) disse que quando soube do programa, através de uma mensagem por e-mail da sua Unidade, resolveu participar para “dar um retorno e ajudar a informar os alunos da escola pública em que estudei”, assim como ela foi informada. Pois, Monique soube dos bônus do Pasusp através de um professor da sua escola, que a estimulou a fazer o vestibular, tendo esta bonificação contribuído para ela passar para a segunda fase da Fuvest e depois ser aprovada.

Monique conta que, apesar de sentir um desinteresse da organização da escola e de não ter uma recepção muito boa de alguns professores, ela conseguiu despertar o interesse dos alunos e até manter contato depois com eles para passar mais informações sobre a Universidade e, depois soube que destes, três alunos conseguiram ser aprovados na Universidade, dois em cursos da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) e um no campus da USP em São Carlos. Pelo fato de ser presidente da Comissão de Graduação do Instituto de Biociências, o professor desta Unidade, Ricardo Pinto da Rocha, participou das discussões sobre as mudanças do Pasusp e Inclusp e conheceu mais sobre os programas de inclusão, o que o estimulou a ser um embaixador neste ano, pois é um “programa de mão dupla, que beneficia os alunos das escolas públicas, mas também quem participa como embaixador”. Já a funcionária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), Maria Goretti Farias de Lima, como sempre estudou em escola pública, quis participar do programa para mostrar aos alunos destas escolas que ingressar na USP é possível. “Quero mostrar que os alunos têm uma chance com os bônus dos programas de inclusão”, afirma Maria Goretti, que vai visitar uma escola localizada na periferia da cidade de São Paulo.

[table id=42 /]

Mais informações sobre o Programa Embaixadores da USP pelo telefone: (11) 3091-3431 ou pelo e-mail: embaixadores@usp.br

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados