As incertezas povoam a 32ª Bienal de São Paulo

Pela primeira vez na história das Bienais, a arte compartilha a reflexão sobre o destino do planeta. A destruição da natureza, a degradação humana, o aquecimento global e a crise econômica e política estão no trabalho de 81 artistas e coletivos de 33 países presentes na mostra

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Conjunto de esculturas apelidadas de Gordinhos, Bailarinas e Coqueiros, de Frans Krajcberg - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Conjunto de esculturas apelidadas de Gordinhos, Bailarinas e Coqueiros, de Frans Krajcberg – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O grito de Frans Krajcberg na defesa das florestas ecoa entre as 340 obras que povoam a 32ª Bienal de São Paulo. Aos 95 anos, o artista plástico polonês, que está no Brasil desde 1950, fez uma exigência. Participaria sim, mas desde que o evento saísse na defesa das florestas, do território indígena e da vida do planeta.

Com a sua luta, Krajcberg está à frente. Os visitantes entram e já se deparam com as esculturas feitas de troncos, cipós e raízes. O artista criou uma floresta com as árvores que foram derrubadas. E as colocou de pé outra vez. Os troncos que pintou de vermelho, de preto, sugerem uma dança ou ritual indígena. “Onde está a arte?”, questiona. “É importante mostrar a barbárie contra o planeta. Lutar e alertar sobre a salvação da Amazônia.”

“Krajcberg é o tema central da mostra”, observa Julia Rebouças, pesquisadora e crítica de arte que integra a equipe de curadores. “Ele defende que não faz sentido separar a ecologia das questões políticas e culturais.”

Os guerreiros feitos de árvores mortas estão no térreo dialogando com as árvores do parque e com as instalações no interior do edifício. Uma conversa que atrai os visitantes para a oca criada por Bené Fonteles, paraense que vive em Brasília. Teto de palha, paredes de taipa acolhem a arte dos indígenas. Como Krajcberg, utiliza restos de materiais orgânicos que são trazidos pelo mar. Compõe um altar que reúne estatuetas lembrando as crenças populares com suas celebrações e oferendas. A instalação Ágora: OcaTaperaTerreiro transporta o espectador para o interior da floresta.

Enquanto no mundo de Fonteles habitam sonhos e crenças, a paisagem da peruana Rita Ponce de Léon traz um planeta desconhecido, a ser explorado. Um mundo que, como o título Na forma de nós mesmos, sugere uma busca por algo que está começando ou terminando. O visitante pode acomodar o rosto, os braços, as pernas nas cavidades de barro, desestabilizando ou descobrindo o próprio corpo.

Uma nova dimensão

slide
Transbordamento: Mapa Universal, de Rikke Luther - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Conjunto de esculturas apelidadas de Gordinhos, Bailarinas e Coqueiros, de Frans Krajcberg - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Conjunto de esculturas apelidadas de Gordinhos, Bailarinas e Coqueiros, de Frans Krajcberg - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Museu do Pau, de Michael Linares - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Kingston, Jamaica, de Ebony G. Patterson - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Instalação composta por cerâmicas, cinzas, ervas, bronze, cristais, corda, sementes, couro e vidro, de Dineo Seshee Bopape - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Psychotropic House: Zooetics Pavilion of Ballardian Techologies, Nomeda & de Geodiminas Urbonas - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Em Forma de Nós Mesmos, de Rita Ponce de Léon - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Do Pó ao Pó, de José Bento - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Volta ao Campo, de Ruth Ewan - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Volta ao Campo, de Ruth Ewan - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
O Peixe, Filme tranferido para HD digital, de Jonathas de Andrade - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Transnômades, Opavivará - coletivo artístico que faz uso de elementos do cotidiano para modificar a dinâmica dos espaços onde se insere - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Transnômades, Opavivará - coletivo artístico que faz uso de elementos do cotidiano para modificar a dinâmica dos espaços onde se insere - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Ágora: Oca Tapera Terreiro, de Bené Fonteles - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Ágora: Oca Tapera Terreiro, de Bené Fonteles - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
slide
Ágora: Oca Tapera Terreiro, de Bené Fonteles - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Prev
Next

.

Sob o olhar da arte, o drama tanto da devastação das florestas, da destruição dos rios como da desumanidade urbana das metrópoles ganha uma nova dimensão. Muda o foco do olhar acomodado no cotidiano. O coletivo Vídeo nas Aldeias, integrado por Ana Carvalho, Tita e Vincent Carelli, apresenta as imagens, gestos, cantos e línguas dos Xavante, Guarani, Kaiowá, Krahô, Yanomani e Kayapó, entre outros povos. E provoca uma reflexão sobre a luta dos índios em preservar a sua cultura e defender suas terras.

Com a instalação Transnômades, o coletivo Opavivará traz questões urbanas que acabam se diluindo no dia a dia. Mostra os carrinhos movidos por tração humana que estão pela cidade e os ressignifica ao transformá-los em cama, carro de som, biblioteca. O objetivo é questionar sobre a situação dos carroceiros, nômades que estão pela cidade no constante improviso para sobreviver.
O protesto à violência contra as crianças e jovens negros de diversas comunidades em Kingston, na Jamaica, é a referência para a obra de Ebony G. Patterson. A artista transita por técnicas variadas e transforma as imagens em painéis de grande dimensão.

Pela primeira vez na história das Bienais, as obras têm uma proposta comum. Não chamam a atenção para o artista, mas para a expressão coletiva de impedir a destruição do planeta. O tema Incerteza Viva traz um mundo de incertezas que reflete sobre a crise ambiental e a crise dos valores humanos. O curador da 32ª Bienal de São Paulo, Jochen Volz, observou: “Michel Temer garantiu, em seu discurso de posse, que as incertezas acabaram. Mas aqui as incertezas continuam. Nossa meta é refletir sobre as atuais condições de vida e também sobre as estratégias da arte para enfrentar as questões do nosso tempo, como o aquecimento global e a crise mundial”, observou. “Hoje, é papel da Bienal ser uma plataforma que promove ativamente a diversidade, a liberdade e a experimentação, ao mesmo tempo exercendo o pensamento crítico e propondo outras realidades possíveis.”

A 32ª Bienal de São Paulo Incerteza Viva está no Pavilhão da Bienal, na avenida Pedro Álvares Cabral, s.n., Parque Ibirapuera, Portão 3. Pode ser visitada às terças, quartas, sextas, domingos e feriados das 9 às 19 horas (entrada até 18 horas), quintas e sábados das 9 às 22 horas (entrada até 21 horas). Entrada grátis. Mais informações pelo telefone (11) 5576-7600.

.

.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados