Pessoas com altas habilidades são o tema do programa Diversidade em Ciência

Na Rádio USP FM, Ricardo Alexino Ferreira entrevista o educador Giovanni Eldasi sobre pessoas com altas habilidades, antes denominadas superdotadas

Por - Editorias: Ciências, Atualidades
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

No “Diversidade em Ciência” de sábado, dia 9 de julho, às 14 horas, na Rádio USP FM, Ricardo Alexino Ferreira entrevista o educador Giovanni Eldasi sobre pessoas com altas habilidades, antes denominadas superdotadas. O alto habilidoso (ou superdotado) tem como característica uma capacidade de aprendizado muito acima de sua idade e sem estímulo. Durante muitos anos, no século 20, para diagnosticar pessoas com altas habilidades era usado exclusivamente o teste de Quociente de Inteligência (QI), que mede o desempenho cognitivo de um indivíduo quando é comparado a pessoas do mesmo grupo etário.

O teste para medir capacidade de inteligência foi criado pelo psicólogo francês Alfred Binet, no início do século 20. No entanto, o nome Quociente de Inteligência (QI) foi utilizado pela primeira vez pelo psicólogo alemão William Stern, que relacionou a capacidade intelectual de uma pessoa e a sua idade. Os estudos de Binet e Stern possibilitaram a criação da Psicologia Diferencial ou Psicologia da Personalidade. Atualmente, o QI é apenas uma parte da avaliação global, que requer entrevistas, jogos lúdicos e observação do alto habilidoso por educadores e médicos, além de outros indicadores.

Durante a entrevista, Giovanni Eldasi irá falar também sobre o perfil de pessoas com altas habilidades; a legislação vigente sobre a Educação especial voltada para esse segmento e as suas dificuldades sociais e culturais para se inserir em uma sociedade e contextos escolares que pouco conhecem o assunto. Giovanni Eldasi é formado em Pedagogia pela Faculdade de Educação (FE) da USP, é fundador e diretor Geral da Vérsila Educacional, organização de pesquisa, aprendizagem e extensão na área de educação e é associado do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas (NUPPs) da USP. Ele também é criador e curador da Biblioteca Digital Vérsila, considerada um dos maiores acervos digitais acadêmicos do Hemisfério Sul.

O “Diversidade em Ciência” é um programa de divulgação científica, voltado para as ciências da diversidade e os direitos humanos e vai ao ar toda segunda-feira, às 13 horas, com reapresentação aos sábados, às 14 horas, com direção e apresentação de Ricardo Alexino Ferreira e operação de áudio de João Carlos Megale. O programa é gravado nos estúdios do Departamento de Comunicações e Artes/Educomunicação da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. A Rádio USP FM pode ser sintonizada em 93,7 MHz, em São Paulo ou pelo link http://www.radio.usp.br/?page_id=5404.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados