Pesquisa que propõe uso de adubo verde em canaviais é premiada

Método também permite maior eficiência no uso de fertilizantes, resultando em economia ao produtor

No primeiro semestre deste ano, Saulo Augusto Quassi de Castro, aluno de mestrado no Programa de Solos e Nutrição de Plantas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, se inscreveu para participar do prêmio International Plant Nutrition Institute Scholar Award (IPNI 2016), que avalia o currículo e o plano de pesquisa dos participantes. Neste segundo semestre, o estudante recebeu a notícia de que seu projeto de pesquisa ficou entre os 36 melhores trabalhos do mundo e entre os quatro do Brasil relacionados à área.

O IPNI apoia o desenvolvimento de novas tecnologias de manejo, iniciativas que contribuem para atender às diferentes e crescentes demandas mundiais de produção de alimentos, agroenergia e fibras, visando à sustentabilidade do sistema agrícola. “Notei a possibilidade de demonstrar nacionalmente e mundialmente o projeto que venho desenvolvendo na pós-graduação, uma vez que minha pesquisa visa à sustentabilidade no manejo agrícola do solo e uso correto de fertilizantes”, conta Castro.

O trabalho selecionado do mestrando avalia o uso de adubo verde (Crotolaria spectabilis) como forma de possibilitar a remoção da palha deixada no campo pela cana-de-açúcar. “Meu objetivo é diminuir a dose de fertilizante nitrogenado na cultura e realizar a renovação do canavial com adubo verde. Diferente de outros estudos, onde o efeito da rotação é avaliado apenas no primeiro corte, estou avaliando o efeito da rotação em longo prazo (cortes subsequentes).” O pesquisador ainda ressalta outros fatores positivos: “Com essas medidas, haverá maior eficiência no uso de fertilizantes, resultando em economia ao produtor. Além disso, pretende-se obter maior produtividade e longevidade do canavial, o que contribuirá para a sustentabilidade da cultura, evitando danos ambientais causados pelo uso indiscriminado de adubos”.

O mestrando receberá um certificado e terá o projeto de dissertação divulgado na revista IPNI. “Desde o início da graduação venho desenvolvendo trabalhos com cana-de-açúcar e nutrição de plantas. O fato de minha família ser produtora de cana e ter a prática do campo me permite ver pontos que podem ser melhorados, abordando-os em minhas pesquisas”, conta Castro.

Ana Carolina Brunelli / Divisão de Comunicação da Esalq

Textos relacionados